O Presidente português apelou ao diálogo e à negociação para desbloquear o impasse institucional na Guiné-Bissau, enquanto o chefe de Estado do Senegal afirmou ter esperança de que se chegará a uma solução consensual.

Marcelo Rebelo de Sousa e Macky Sall falaram numa conferência de imprensa conjunta, no palácio presidencial, em Dacar, em que nenhum dos dois quis responder diretamente sobre se defende ou não a antecipação das eleições legislativas na Guiné-Bissau.

Há um acordo que foi assinado, por todas as partes essenciais na Guiné-Bissau, mas também adotado pelos parceiros internacionais”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa, defendendo ser “preciso tentar aplicá-lo, com paciência, com negociação, com diálogo”.

O chefe de Estado português, que se encontra em visita ao Senegal, confessou, contudo, que a resolução do impasse governativo na Guiné-Bissau “é difícil, sem dúvida”.

O Presidente português, que iniciou hoje uma visita de Estado ao Senegal, defendeu, por outro lado, que “é muito importante que a comunidade internacional nunca adote uma posição de indiferença” em relação à Guiné-Bissau.

O presidente Macky Sall considerou que o Senegal tem “um dever de solidariedade” para com a Guiné-Bissau e que o seu papel é o de “dar um contributo na procura de uma solução consensual” nesse país vizinho, com respeito pela sua soberania.

Macky Sall lembrou que “o Acordo de Conacri foi obtido com muita dificuldade”.

O presidente da República, o PAIGC, o parlamento”, conseguirão, com diplomacia, “chegar a um consenso” do exclusivo interesse do povo da Guiné-Bissau, evitando uma situação “mais difícil ainda”, sustentou Macky Sall.

 

Portugueses entusiasmados com a primeira visita do Presidente de Portugal ao Senegal

“Nós estamos entusiasmadíssimos porque é um prazer ter o senhor Presidente aqui e acaba por ser mais uma abertura entre o Senegal e Portugal”, disse Gabriela Borges, uma portuguesa a viver em Dakar há quatro anos.

 

Gabriela Borges, uma ribatejana da zona de Samora Correia, referiu que a visita de Marcelo Rebelo de Sousa “é importante principalmente neste momento em que se começa a importar muito produto português para aqui”.

Vivem no Senegal aproximadamente 200 portugueses, de acordo com a embaixada em Dakar, que trabalham sobretudo na área da construção.

“Nós acabamos por ser conhecidos como bons construtores e pessoas de confiança em termos profissionais e o facto de sermos portugueses acaba por abrir algumas portas, porque a nossa reputação precede-nos”, afirmou Gabriela Borges, que gere a representação de uma marca de tintas portuguesa.

A portuguesa explicou que há cada vez mais empresas portuguesas a instalarem-se no Senegal, um país “com oportunidades de negócio”. Gabriela Borges referiu que os empresários senegaleses dependem “muito de importações francesas” mas “começam a olhar para o lado e a tentar perceber e a tentar criar relações comerciais com Portugal”.

Luís Gonçalves veio para o país há nove anos quando a empresa de construção onde trabalha decidiu investir no estrangeiro. Visita a família de de três em três meses que ficou em Portugal e, para já, não planeia regressar a casa.

“Felizmente é para continuar, por muitos e bons anos. Temos bastante trabalho, acabamos por ganhar aqui duas grandes obras no Senegal”, avançou. “Vive-se muito bem” no país, garantiu Luís Gonçalves, acrescentando que o Senegal “é pacífico, as pessoas são muito acolhedoras, muito simpáticas”.

As saudades da cozinha portuguesa apaziguam-se com idas ao restaurante cabo-verdiano, “que tem aquelas coisas como bitoque”, disse Gabriela Borges, acrescentando que os portugueses a viver no país “já sabem que têm de trazer um pastel de nata para dividir” quando vão de férias a Portugal.

Fonte:http://www.tvi24.iol.pt/internacional/marcelo-rebelo-de-sousa/marcelo-deseja-no-senegal-fim-do-impasse-em-bissau

http://www.tsf.pt/internacional/interior/portugueses-no-senegal-entusiasmadissimos-com-visita-de-marcelo-6217525.html