.
arquivos

Cultura

Esta categoria contém 108 posts

Boubakar Keita: o desafio do intercâmbio entre os pesquisadores africanos


Professor Boubakar Namory Keita
Professor Boubakar Namory Keita

Boubakar Keita diz que isso prejudica o continente

A falta de contactos entre cientistas e investigadores africanos é ”um grande desafio” para o desenvolvimento de África, disse Boubakar Namory Keita professor de história e e antropologia na Universidade Agostinho Neto.

“Não há um grande intercambio entre as universidades angolanas, entre a intelectualidade angolana os centros de estudos angolanos e os seus congéneres de outros pais africanos mesmo os mais próximos como Namíbia África do Sul congo e outros”, disse Keita.

“Infelizmente isto é um grande deficit e faz parte dos actuais desafios que se colocam ao continente africano”, acrescentou o professor para quem esta situação “faz parte dos inúmeros problemas que o continente vive na ciência e na investigação cientifica”.

“So se observam focos isolados e infelizmente não há grande troca de experiencias não há um intercambio efectivo permanente entre as regiões”, disse.

“Existem mais intercâmbios entre Angola e Portugal, entre Angola e o Brasil do que entre Angola e o Senegal ou o Mali Burkina Faso”, afirmou Keita acrescentando que isso “é uma herança colonial “.

Keita falava por ocasião da publicação pela Mayamba Editoria e a a faculdade de ciências sociais a obra “Contribuição endógena para a escrita da história da África Negra – Ensaio sobre a obra de Cheikh Anta Diop.

O acto visou saudar o Dia de África – 25 de Maio e os 40 Anos da Independência de Angola, sob o lema “Angola 40 Anos – Independência, Paz, Unidade Nacional e Desenvolvimento”.

Keita disse que Diop “desconstruiu toda uma mitologia em volta do passado da África, em volta daquilo que África era capaz e irá ser”.

Para Keita Diop “teve que desmantelar e desconstruir um conjunto de mitos em volta do passado e da capacidade dos negros africano para construir novos paradigmas novos modelos”.

“Faltava essa pequena luz que possibilitava uma outra contribuição do passado da África Negra para podermos fazer uma historia objectiva mas não uma historia partidária ou subjectiva” disse o professor da Universidade Agostinho Neto.

https://www.voaportugues.com/a/no-h-contactos-entre-investigadores-africanos-professor-da-universidade-agostinho-neto/2802014.html

Anúncios

Tradição Bantu no Brasil e África

Niger-Congo_map_with_delimitation

 

O quarto Encontro Internacional das Tradições Bantu (IV Ecobantu) vai reunir de 4 a 6 de Maio, no Memorial da América Latina, em São Paulo, no Brasil, representantes de vários países africanos, da América Latina, das Caraíbas e observadores da Europa, Estados Unidos e Ásia.

Lesliana Pereira que interpreta a soberana do Ndongo e da Matamba no filme “Nzinga Mbandi” é uma das convidadas para integrar a delegação angolana
Fotografia: DR

Carolina Cerqueira ministra da cultrua de angola

A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, e outras personalidades angolanas, já confirmaram a sua presença no encontro de amplitude e dimensão internacional, algo similar a um Fórum Mundial dos Bantu, que tem como tema “Tradição Bantu no Brasil e África: Cultura, Costumes e Hábitos de Um Povo Transatlântico”.

bantu_logo
O IV Ecobantu pretende discutir o legado africano e a sua contribuição na construção do continente latino-americano e em particular do Brasil. Os bantu, oriundos da África central, são a primeira civilização de africanos a aportar ao continente latino-americano.
O IV Ecobantu vai ser desenvolvido através de palestras, conferências especiais, relatos e cantos bantu, com intervenções culturais de “jongo”, “makulelê”, samba de roda, samba de umbigada, tambor de crioula, capoeira Angola e regional, “congada”, além de grupos de danças tradicionais do Gabão e de outros países da África bantu convidados.
O evento é considerado um projecto ousado do  Instituto Latino Americano de Tradições Bantu (Ilabantu), nas palavras da historiadora e fotógrafa Carla Cruz, moradora da zona sul de São Paulo.
“Ecobantu, ao analisarmos pelo viés cultural como historiadora, afirmo que o seu organizador, o Pai Walmir Damasceno “Taata Katuvanjesi”, é um homem ousado, quando se trata do empenho, articulações políticas, sociais e empenho na realização do projecto”, referiu.
Para Carla Cruz, “ao analisarmos pelo viés crença a ousadia, pode ser enxergada como fé. Trata-se de um evento de grande importância às mais diversas áreas, como a académica, cultural, para as comunidades tradicionais e para o fortalecimento da identidade negra, especificamente a dos bantu e sua grandiosa contribuição na cultura afro-brasileira.”
Acrescentou que “fé e ousadia são premissas claras no evento e no seu organizador”.
Em Dezembro passado, em Salvador, palavras semelhantes foram ditas pelas secretarias de Cultura e da Promoção da Igualdade Racial, respectivamente, a professora e actriz Arany Santana e a cientista social Fabya Reis, durante o encontros de ambas com o coordenador geral do Ilabantu, testemunhado por importantes lideranças de terreiros de candomblé Congo Angola da Bahia.

Alain Claude Bilie By Nze1
Pela sua dimensão, o certame chamou atenção do Governo do Gabão e o ministro de Estado da Economia, Comunicação Digital, Cultura, Artes e Tradições, Alain Claude Bilie By Nze, responsável pela Educação Popular e Instrução Cívica, e principal porta-voz do Presidente Ali Bongo Ondimba, indicou que o mandatário gabonês está interessado em aparecer pessoalmente na maior e mais importante capital económica do Brasil e da América Latina, para participar do IV Ecobantu.
O ministro adiantou  que o Gabão está disposto a participar no evento  com uma forte delegação, formada pelo Presidente da República, ministros, diplomatas e artistas, que também conta com a presença do mais prestigiado coleccionador de arte clássica africana, o empresário Sindika Dokolo, presidente da Fundação Sindika Dokolo.

Incursão angolana

o Rei do Bailundo e Ekuikui V
O Ministério da Cultura deve, para este evento, criar condições a fim de viabilizar a presença de alguns dos principais soberanos angolanos no IV Ecobantu, como o Rei do Bailundo e Ekuikui V.

Mfumu Mukongo

Deverão integrar, também a comitiva, o Rei Buba NVula Ndala Mana (Ndongo e da Matamba) e o poderoso Mfumu Mukongo (Afonso Méndes), substituto do Rei do Kongo e coordenador das autoridades tradicionais de MBanza Kongo, província do Zaire.
Da academia intelectual internacional tem confirmada a presença do professor Patrício Batsîkama, aguardado com grande expectativa para a apresentação de diversos trabalhos de pesquisas e estudos “As origens do Reino do Kongo segundo a tradição oral”.  O historiador pretende abordar, também, outros temas actuais, como “Democracia no Reino do Kongo”, “Sistema político, económico e sociedade, religião no antigo Kongo”.
Lesliana Pereira, antiga Miss Angola, actriz que interpreta o papel da rainha Njinga Mbandi tem presença confirmada. O filme, realizado por Sérgio Graciano e escrito por Joana Jorge, segundo a consultora histórica Isilda Hurst, não se limita aos aspectos históricos que marcaram a vida da rainha Njinga Mbandi.

 “Entender o mundo Bantu para melhor compreendê-lo”

Kimpa Vita1

Outra projecção cinematográfica prevista é “Kimpa Vita”. O filme conta a história da mãe da revolução africana, que segundo o seu produtor, Ne Kunda Nlaba, foi uma das maiores líderes africanas, na luta contra a escravidão e pela valorização da identidade do povo bakongo (grupo étnico bantu que vive ao longo da costa centro-africana). Nascida em 1684, Kimpa Vita foi condenada e assassinada.

Kimpa Vita
“Qualquer pessoa que aprende sobre a história de Kimpa Vita fica surpreendido pelo carácter e coragem dela. O mundo precisa saber dela, principalmente o mundo afro-brasileiro e latino-americano precisa saber dos seus feitos, da sua influência”, disse em Londres, Ne Kunda Nlaba, director do documentário, cuja presença está confirmada.
Ne Kunda conta que, quando criança, ouvia sobre Kimpa Vita, mas que nunca aprendeu de verdade sobre a história da heroína angolana na escola. Aos poucos descobriu mais sobre a jovem corajosa de família nobre do Reino de Kongo (região onde hoje estão Angola, República do Congo, República Democrática do Congo e Gabão).

CD Karavana da Saudade
O encontro deve encerrar com o lançamento do primeiro CD Karavana da Saudade, do DJ, actor e produtor angolano Celso Roberto, que deve apresentar-se na companhia de vários outros cantores angolanos e da cantora baiana, Margareth Menezes, da cantora, compositora e sambista carioca, Vilma Rosa, com o seu projecto “É p’ra sambar”.
O IV Ecobantu 2018 tem como tema principal “Entender o mundo bantu para melhor compreendê-lo – tradição no Brasil e África: cultura, costumes e hábitos de um povo transatlântico”.

vilma-rosa1

Fonte:http://jornaldeangola.sapo.ao/cultura/brasil_prepara_encontro__sobre_as_tradicoes_bantu

Advertisements

Occasionally, some of your visitors may see an advertisement here

PRÊMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO

aaapol1

REGULAMENTO DO PRÊMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO

 

Artigo 1 (Objecto, patrocínio, âmbito)

A Fundação Dr. António Agostinho Neto (FAAN) e o Instituto Afro-brasileiro de Ensino Superior (IABES), representado pela Faculdade Zumbi dos Palmares (FZP), promovem um concurso internacional, de dois em dois anos, designado

PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO, nos termos e condições deste regulamento.
O PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA  AGOSTINHO NETO é patrocinado pela FAAN e pelo IABES.

O PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO destina-se a galardoar as obras de investigação escritas sobre Agostinho Neto, Angola, África, Brasil, a Diáspora e Afrodescendentes que contribuam para o melhor conhecimento da história de Angola, do Brasil e de África.

Artigo 2 (Periodicidade e Prémio)

1. Este concurso atribui, bianualmente, à melhor obra, o PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO
NETO.

2. Ao(s) autor(es) da obra distinguida com o PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO será entregue um diploma, um troféu e a quantia equivalente a 50.000,00 USD (cinquenta mil Dólares dos EUA).

Artigo 3 (Autor)

1. Considera-se o autor, para efeitos do presente regulamento, uma ou mais pessoas que tenham produzido o trabalho de investigação.
2. Serão admitidas a concurso obras de autoria de angolanos, de brasileiros e de outras nacionalidades.
3. Recomenda-se, quando possível, o registo das obras no órgão competente de registo dos direitos de autor.
4. O original deve ser impresso em folhas de papel de cor branca e tamanho A4, O texto deve estar formatado em tamanho 12, tipo de letra Times News Roman. As páginas devem estar numeradas, ordenadas e conter o título da obra e o nome do autor.
5. Na primeira folha deve vir indicado o título da obra e o nome do autor.
6. Terá de ser apresentado um resumo com o máximo de três folhas que deverá exprimir correctamente o conteúdo do trabalho, de modo a permitir uma primeira análise quanto à admissibilidade a concurso.
7. Os trabalhos devem ser escritos em língua portuguesa e enviados em suporte digital (CD, pendrive ou por correio electrónico).

Artigo 4 (Secretariado do Prémio)

Os trabalhos para candidatura devem ser enviados até ao dia 31 de Março ao Secretariado do Prémio:
a) Em Angola: 2 Exemplares para a Fundação Dr. António Agostinho Neto, sita na Rua Major Kanhangulo, Nº 10, Luanda, Angola. E-mail: fundagostinhoneto@gmail.com. Telefone: (+244) 222335431. Fax: (+244) 222332474.
b) No Brasil: 2 Exemplares para o Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior – CNPJ 05.234.052/0001-46, Avenida Santos Dumont, 843, CEP 01101-000, Bairro Ponte Pequena, Município de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil
Ou

Para a Fundação Zumbi dos Palmares, sita na Rua Santos Dumont, Nº 843, Armênia, São Paulo, SP, Brasil. E-mails: jose.vicente@unipalmares.edu.br e ivairs@gmail.com (011)3325-1000.
Artigo 5 (Documentação)

A acompanhar a apresentação do original a que se refere o artigo 4º, deverá ser entregue a identificação completa mediante a documentação seguinte:

1. Fotocópia do Bilhete de Identidade
2. Residência dos autores da obra
3. Títulos académicos
4. Curriculum profissional
5. A declaração constante do artigo 6º, será assinada pelo autor ou autores da obra.

Artigo 6 (Declaração)

Os autores das obras candidatas devem subscrever, como condição para a sua admissibilidade, a seguinte declaração:

Nome (identificação completa do autor, incluindo a nacionalidade) do autor ou autores em colaboração da obra intelectual sobre o tema (identificação do tema) e com o título (identificação do título), candidata-se ao PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO, ano respectivo, declara(m) ter tomado conhecimento, nesta data, do teor completo do regulamento, com o qual concorda(m) plenamente. Assim aceita(m) colaborar com a organização do PRÉMIO em tudo o que está estipulado no referido regulamento.
Expressamente autoriza(m) a utilização do original e cópias da sua honra, nos termos previstos no citado regulamento, designadamente para a reprodução integral fotocopiada a que se refere o seu artigo 7º.
Declara(m) ainda abster-se de quaisquer actos ou iniciativas que possam diminuir o interesse ou ineditismo da obra até à divulgação dos respectivos resultados, nos termos do artigo 16º do presente regulamento.

Artigo 7 (Cópias do trabalho)

As cópias do trabalho serão distribuídas pelos membros do Júri e não serão devolvidas ao autor. Elas destinam-se a ser entregues ao Presidente do Júri, nos termos e para os efeitos do artigo 8º, e as restantes reproduções serão reservadas para consulta dos Membros do Júri.
Artigo 8 (Das decisões do Júri. Prazos. Irrecorribilidade)
1. Compete ao Presidente do Júri apreciar se cada obra candidata ao Prémio se coaduna ou não com os termos deste regulamento.
2. Esta apreciação deve ser feita no prazo de trinta dias úteis após a data de entrega.
3. Das decisões do Presidente do Júri, nos termos deste artigo, não cabe qualquer espécie de recurso, pelo que são definitivas.
Artigo 9 (Conceito de obra em participação)
Obra em participação é toda aquela que tenha sido apresentada pelo candidato nos termos deste regulamento e tenha sido admitida a apreciação preliminar.

Artigo 10

(Designação do Júri)
1. O Júri do Prémio bianual, é composto por sete elementos, um dos quais é Professor de História para a função de Presidente do Júri.
2. O Presidente do Júri, os dois investigadores, dois vogais e um secretário serão designados pela FAAN e o IABES, tendo como base professores, escritores e representantes indicados pela FAAN e pelo IABES.
3. A Fundação Dr. António Agostinho Neto indica um membro para supervisionar os trabalhos.
4. Quando o Júri não se julgar competente para avaliar o mérito de uma ou várias obras concorrentes, poderá consultar peritos nacionais ou internacionais.
5. O contacto com o (s) perito (s) será feito pelo Presidente ou pelo membro do Júri em quem ele delegue.
6. Os membros do Júri guardarão sigilo quanto às obras candidatas ao Prémio.
7. Este processo será público e sob supervisão do patrocinador.

Artigo 11 (Deliberação do júri)

1. O Júri é autónomo e competente para deliberar por maioria simples sobre a classificação das obras.
2. Em caso de empate nas votações, o Presidente dispõe de voto de desempate.
3. O Secretário não dispõe de direito de voto.
4. Compete ao Júri a definição do seu modo de funcionamento, obrigando-se a cumprir os termos e as condições deste regulamento e a fundamentar as suas decisões.
5. As deliberações do Júri são definitivas, delas não cabendo qualquer recurso.
Artigo 12 (Classificação)
O Júri apreciará as obras em participação e escolherá de entre elas a de maior mérito para receber o título de obra premiada com o PRÉMIO INTERNACIONAL DE INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA AGOSTINHO NETO, no ano respectivo.

Artigo 13 (Divulgação das obras)

1. Os autores intelectuais das obras premiadas autorizam a FAAN e o IABES, a efectuar, segundo o seu livre critério, por si ou por terceiros a quem ceda gratuitamente esse direito, a publicação das obras em primeira edição, com exclusividade, até dez mil exemplares.
2. A autorização abrange reproduções ou menções de extractos, resumos ou condensações das respectivas obras por quaisquer meios durante um período de dois anos.
Artigo 14 (Publicações)
1. A publicação das obras será feita no Brasil, através da Editora Zumbi dos Palmares, sendo metade para a FAAN e a outra metade para o IABES, no sistema de co-edição.
2. A língua empregue na publicação será o português sem acordo ortográfico para Angola e com acordo ortográfico para o Brasil.

Artigo 15 (Local de entrega do prémio)

1. O prémio será entregue em cerimónia solene na sede da FAAN ou noutro local por si designado.
2. A obra será lançada tanto no FESTINETO, em Angola, como na FLINK SAMPA, no Brasil, seguida de debate com o autor, a FAAN, a FLINK SAMPA e o presidente do Júri.
Artigo 16 (Data da divulgação do Prémio)
Os resultados serão divulgados em cerimónia pública a realizar-se no dia 17 de Setembro, data do nascimento de António Agostinho Neto.

Artigo 17
(Obrigações e Actos do Júri)

1. A FAAN e o IABES não se obrigam em relação a obras ou a autores que não preencham a totalidade das condições expressas ou implícitas neste regulamento.
2. A FAAN e o IABES não poderão ser responsabilizados pelos actos do Júri.
Luanda, 10 de Setembro de 2014
São Paulo, 10 de Setembro de 2014

ADENDA

Atendendo à exiguidade de tempo para a entrega das obras candidatas ao Prémio 2017-2018 até ao dia 31 de Março de 2018 assim como a dificuldades de recepção de trabalhos volumosos pelo correio, foram alterados os Artigo 3º e o Artigo 4º.

Luanda, 20 de Fevereiro de 2018
São Paulo, 20 de Fevereiro de 2018.

 

http://www.agostinhoneto.org/index.php?option=com_content&view=article&id=1366:regulamento-do-premio-internacional-de-investigacao-historica-agostinho-neto&catid=37:noticias&Itemid=206

Para se reinventar, a África também deve redescobrir suas raízes, suas tradições.

A utopia africana de Felwine Sarr

mídiaFelwine Sarr.© Antoine Tempé

Felwine Sarr é um intelectual africano. Economista agregado, ele ensina na Universidade Gaston Berger de Saint-Louis no Senegal. Em seu último livro Afrotopia (Editions Philippe Rey), ele sonha com uma amante da África que leve a ”  humanidade para outro nível  “.

”  Responder a um pensamento sobre o continente africano é uma tarefa difícil , escreve Felwine Sarr , tão tenaz, clichês, clichês e pseudo-certezas que, como um halo de neblina, escondem sua realidade  “. Sua abordagem é, portanto, desconstruir a visão da África; uma visão livre, em particular, das idéias ocidentais para alcançar a “Afrotopia”, essa ”  utopia ativa, que se propõe a descobrir no espaço real africano os vastos espaços dos possíveis e impregná-los  “.

desenvolvimento

Esta desconstrução, “a  exigência da soberania intelectual absoluta  “, começa com o questionamento do conceito de desenvolvimento visto em Washington nos corredores do FMI ou do Banco Mundial.

Certamente, Felwine Sarr não questiona a necessidade de desenvolver o continente que é dele, mas a maneira de fazê-lo. A África deve encontrar o caminho que é próprio e não mais ser imposto um “modelo”. ”  É preciso uma crítica filosófica, moral e política da ideologia desenvolvimentista  ” , escreve o analista rigoroso que fala de um campo que ele conhece: o dos números, das estatísticas, curvas. Neste como nos outros, “a  utopia africana consiste em gerar outras formas de viver em conjunto  “.

Para se reinventar, a África também deve redescobrir suas raízes, suas tradições. Os africanos de hoje parecem esquecê-los pouco a pouco, ansiosos para que possam desfrutar os frutos de uma certa forma de sociedade de outros lugares.
Esta é uma tendência perigosa para Felwine Sarr. ”  O homem africano contemporâneo está dividido entre uma tradição que ele não conhece mais e uma modernidade que caiu sobre ele como uma força de destruição e desumanização  ” , ele escreve pensando em colonização.

Modernidade africana

” Quais poderiam ser os contornos e os conteúdos desta modernidade africana, se quiser evitar tornar-se uma falsa contrafacção da Europa? “Pergunta o autor. Esta é a questão central do livro.

Ao longo das páginas, Felwine Sarr envolve uma reflexão filosófica que propõe, por exemplo, a existência de vários mundos. ”  Essa África que está e está acontecendo é multifacetada  “, diz ele. Deve basear seu futuro em sua autonomia cultural e em uma noção de tempo peculiar a si mesmo. E, segundo ele, a economia deve ser considerada com uma dimensão social em particular. Aqui também é uma questão de reconectar-se com a tradição. “Nas sociedades africanas tradicionais, a economia foi incluída em um sistema social maior. Ele certamente obedeceu às suas funções clássicas (subsistência, alocação de recursos, etc.), mas foi subordinado a objetivos sociais, culturais e civilizacionais  . Portanto, é necessário, diz o autor, “ ancorar as economias africanas em seu contexto cultural  “. E morar em sua casa.

A análise de Felwine Sarr é alimentada por estudos de grandes mentes do continente; o filósofo Mamoussé Diagne e seu trabalho sobre a tradição oral para entender o conteúdo do pensamento africano ou mesmo Abdoulaye Elimane Kane, que busca a “participação africana” no pensamento do ser humano.
É um apelo aos africanos para capturar uma imagem da África que é sua, e não a imagem que o Ocidente os envia.

” Para acelerar o fim de um mundo, para se livrar do Ocidente, é necessário ganhar a batalha da representação, por uma estratégia de subversão e insurreição, levando à elaboração de seu próprio discurso. de uma representação de si mesmo  “, escreve esse homem posado, cuja ambição intelectual é ótima. E nobre.

 

http://www.rfi.fr/culture/20160324-utopie-afrique-felwine-sarr-developpement-humanite-afrotopia-modernite-tradition

Felwine Sarr: É muito importante lutar pela representação justa de África

Os africanos devem dominar a narrativa sobre si próprios e definirem os termos em que as suas instituições e economia operam. O economista senegalês vem ao Teatro Maria Matos, em Lisboa, falar de Afrotopia. Nem afropessimista, nem afroeufórico: Felwine Sarr é afro-realista.

Felwin Sarr organizou em Dacar os Ateliers de la Pensée, onde reuniu pensadores africanos da diáspora

Foto
Felwin Sarr organizou em Dacar os Ateliers de la Pensée, onde reuniu pensadores africanos da diáspora ELISE DUVAL

No ano passado, o economista senegalês Felwine Sarr (n.1972) organizou os Ateliers de La Pensée, um espaço de reflexão em forma de workshops que juntou dezenas de pensadores em Dakar e Saint-Louis. Co-criados com o filósofo e referência do pensamento pós-colonial, o camaronês Achille Mbembe, os Ateliers foram um enorme sucesso e irão repetir-se este ano, em Novembro, conta ao PÚBLICO por telefone. “Nestes últimos anos houve um renascimento dos artistas africanos. Os africanos não estão muito envolvidos na produção do discurso sobre eles próprios, com os Ateliers a ideia era reunir intelectuais africanos e da diáspora e pensar o papel de África no mundo, como olhar para o futuro”, explica.

O economista, músico, teórico, chega a Portugal na próxima semana, dia 19 de Abril, para uma conferência sobre África, capitalismo e utopias no Teatro Maria Matos, em Lisboa, integrada no Ciclo Utopias. Reclama para África, à qual se refere como uma entidade continental, uma especificidade própria. Defende que é hora de os africanos fazerem uma auto-reflexão, pensarem nas suas soluções e tornarem-se menos vulneráveis às influências exteriores veiculadas em nome de um interesse que não é necessariamente o seu. “O comércio (deportação) transatlântico e o colonialismo foram sinónimos de extracção de riquezas e de ser humanos, de desestruturação das sociedades, de distorções institucionais, de violação cultural, de alienação e de inscrição das sociedades dominadas em trajectórias pouco virtuosas”, escreve no livro. Esta é a herança com a qual os países africanos têm de viver.

Professor na Universidade Gaston Berger de Saint-Louis, e director do departamento de Civilizações, Religiões, Arte e Comunicação da mesma universidade, Felwine Sarr é autor de DAHIJ (2009), 105 Rue Carnot (2011), Médiations Africaines (2012) e Afrotopia (2016). É sobre este último livro que vem falar e foi sobre ele que se debruçou a entrevista de cerca de 40 minutos.

Para contextualizar, cite-se um excerto de Afrotopias: “África é um continente que tem uma superfície de 30 milhões de quilómetros quadrados, composto por 54 Estados. Cabem nela os Estados Unidos, a China, a Índia e uma parte da Europa Ocidental. Com uma população de cerca de mais de um bilhão de indivíduos, e uma taxa de crescimento demográfico de 2,6%, daqui a meio século será o continente mais povoado, com 2,2 bilhões de habitantes, representando um quarto da população mundial. (…) Desde 2000, o seu crescimento econômico é superior a 5%. Entre as mais altas taxas de crescimento do mundo de 2008 a 2013, os países africanos estão bem representados.” Escreve ainda: “As economias africanas descolariam, se funcionassem com os seus verdadeiros motores.”

Felwine Sarr também escreve, no livro, que a “Afrotopia é uma utopia activa que procura no real africano os diversos espaços do possível e os fecunda”. Não defende nem o afro-pessimismo (que olha para o continente como estando à deriva), nem o afro-euforismo (que olha para África como o futuro económico). Qual será o lugar de um afrotópico? “O realismo”, responde.

No livro fala do fato de África estar marcada pela representação feita a partir do exterior. Como é que essa imagem foi distorcida?
Isso acontece desde os tempos do colonialismo em que é o Ocidente a definir África. África agrega essas definições que são feitas e incorpora-as, mas na verdade tem uma longa história em que pode pensar a sociedade, a vida, a história, o seu presente e decidir que tipo de futuro quer. Temos que ser nós a definir que tipo de sociedade queremos.

E nesse sentido, o que é exactamente a luta pela representação de África?
É muito importante lutar pela representação justa de África. Se em África não se acredita que é possível melhorar, e tem que se ir para o Ocidente porque aqui não há futuro, então é porque a representação é muito má. Como as pessoas se vêem a elas mesmas através desta representação? Para construir o seu presente e o seu futuro têm que ter confiança em si próprias. Mas há um preconceito em relação a África, sempre vista através da lente do conflito, do que é negativo, e não da parte positiva da resiliência dos africanos, da riqueza da sua civilização, da sua criatividade na forma de resolver os problemas.

Passados mais de 50 anos sobre a descolonização da maior parte dos países africanos (ocorridas no início dos anos 1960, não sendo o caso das colónias portuguesas), o seu livro ainda debate a necessidade de descolonização em várias áreas, incluindo das mentalidades. O que é que correu mal neste processo?
A descolonização não é apenas territorial e não acaba com as independências dos países, é um processo. O mais importante é a descolonização intelectual, psicológica, do conhecimento. Foram feitos progressos nas universidades, alguns académicos estão a pensar em como descolonizar o conhecimento e as linguagens mas isto é algo que acontece a longo prazo e para o qual se tem de olhar cuidadosamente. São precisas novas relações, mais justas e respeitadoras.

(A maioria dos) países africanos são antigas colónias, e as relações económicas, políticas e culturais continuam a existir com os países ocidentais. As ideias e decisões políticas não são tão livres como deveriam ser: são definidas pelas Banco Mundial, pelo Fundo Monetário Internacional, por políticos e por grandes empresas que têm interesse em África. Não podemos dizer que as relações são justas e simétricas, não são, há muito trabalho para fazer. Se for a algum dos países africanos, as grandes companhias que exploram os recursos naturais são internacionais. E retiram esses recursos porque têm tecnologia que nós não temos, em todas as áreas, das telecomunicações às minas, ao petróleo. Os nossos governos, por sua vez, também são influenciados pelas políticas do Banco Mundial e do FMI, pelos políticos do Norte na forma de governarem as suas sociedades.

Fala da necessidade de os africanos adquirirem a sua autonomia e de recuperarem as suas esferas políticas. Como se consegue isto? 
As sociedades africanas têm conhecimento local em várias esferas, do social, ao psicológico, até à saúde e basearam grande parte da sua sabedoria neste tipo de conhecimento que pode ser ensinado ao mesmo nível do conhecimento ocidental, articulando-os. Na minha universidade temos exemplos disso com o departamento de Cultura Africana, Civilização e Línguas, o Departamento de História.

Também defende que o ensino deve ser feito em línguas locais e que se deve, no fundo, acabar com o domínio das línguas ocidentais. Como é que depois se asseguraria a circulação do pensamento num continente em que há tantas línguas nacionais?
Há duas mil línguas em África, mais ou menos. Pode-se trabalhar a um nível trans-regional. Mas se pensarmos, há línguas que são faladas em vários países. Podem-se escolher algumas línguas transnacionais, e trabalhar nelas. O número de línguas não é um problema, o problema é a vontade política: há muitos lugares no mundo em que é a política que decide investir na língua. Quando um africano cresce, aprende a falar numa língua nativa; quando vai para a escola, aprende noutra, é um choque.

Diz que os instrumentos para medir as performances económicas em Produto Interno Bruto (PIB coloca os países africanos em situação de desigualdade e de subalternidade. Como é que a economia informal que predomina em África pode ser incluída nesta equação? 
O problema da economia informal é que não é incluída nas estatísticas, e quando se mede o PIB perde-se esta grande parte da economia. Esta economia produz riqueza, outras formas de economia, e temos que olhá-la com outros olhos, tentando capturar indicadores que meçam este tipo. Alguns países estão a tentar ter estatísticas da economia informal, outros, como o asiático Butão encontram índices que incluem a medição do bem-estar.

Há críticas fortes no seu livro à ajuda internacional e à presença de organizações não-governamentais (ONG) em África. Em que é que são negativas?
As ajudas das ONG podem ser feitas com boa intenção, mas nem todas têm a preocupação de perceber quais as necessidades reais de África. Algumas têm ideias do que é Africa e agem de forma diferente daquela que foi acordada com os respectivos governos, seguem as suas agendas e não trazem grande coisa. São os governos que devem decidir o que é bom para eles e não as ONG’s internacionais, algumas muito poderosas. Por exemplo, no Ruanda o Governo define quais as áreas em que as ONG’s intervêm e todos os anos escrutinam-nas para saber se cumpriram o plano – se não o fizeram, saem do país. O mais importante é saber se as ONG’s são agentes de transformação. Se agirem de acordo com o interesse do país, podem ser úteis. As soluções têm que ser produzidas localmente, se não, o problema pode agravar-se. Não é preciso recusar a ajuda mas apenas organizá-la de forma a que seja útil.

Fonte:https://www.publico.pt/2017/04/16/sociedade/entrevista/felwine-sarr-na-luta-pela-representacao-de-africa-1768342

Felwine Sarr: África é o continente mais ancestral do mundo

João BiscaiaDAVIDE PINHEIRO

Economista e artista senegalês, Felwine Sarr escreveu “Afrotopia” sobre a descolonização e o sonho africano

África, o continente das feridas do séc. xx por sarar ou o lugar onde a utopia é real no séc. xxi? O pensador, economista e artista senegalês Felwine Sarr escreveu “Afrotopia” sobre o processo adiado de descolonização. O livro é um apelo a uma visão inclusiva e contemporânea. De África para o mundo e o inverso. Às 18h30 conversa com os artistas alemães Monika Gintersdorfer e Knut Klaßen, em Lisboa, para apresentar “Diálogo Direto Kinshasa Lisboa” no Teatro Maria Matos. O espetáculo pode ser visto de quinta a sábado, sempre às 21h30.afroutopiaNo livro “Afrotopia” defende que o processo de descolonização ainda não terminou. O que falta fazer?

A descolonização é um processo muito longo. No final dos anos 60, os países africanos tornaram-se independentes, mas para se ter independência não basta um território e uma bandeira. A questão racial e a relação com os países colonizadores não terminou aí. As ligações políticas e culturais continuam a ser assimétricas porque foram construídas dessa forma. Não é em dez ou 20 anos que se reconstrói uma relação. Reconquistar a liberdade e a autonomia leva tempo. É preciso desarticular estas ligações, negociar uma relação mais justa e horizontal. A descolonização está na forma como se organiza a sociedade para que se possa decidir o futuro e atingir objetivos.

É um problema africano e europeu?

Sim, de ambos. A Europa decidiu pela descolonização porque tinha os turistas e era muito caro manter as colónias. Foi o contexto histórico, e não uma questão de arrependimento moral ao não contribuir para um mundo mais igualitário e aproveitar-se dos recursos existentes em África. A Europa não vai querer perder o acesso às matérias-primas e, se puder continuar a defender uma relação injusta do ponto de vista económico, vai continuar a fazê-lo. E também os líderes dos países africanos na altura recém-independentes não cortaram essa relação umbilical. Pensaram que imitar a Europa na organização social e política seria uma boa forma de desenvolvimento. Não rearticularam a História. Veja-se o caso da França, que continuou a intervir militarmente nas ex-colónias. Não se pode dizer que as coisas não tenham mudado. Há países que conseguiram ter bastante autonomia, mas outros, como a África do Sul, têm muito trabalho pela frente.Felwine_Sarr_IMG_2388

África precisa de reencontrar um caminho próprio?

Repare, África é o continente mais ancestral do mundo. As primeiras formas de organização social foram em África. Há uma história muito longa do que significa a vida e viver em sociedade. Toda a experiência humana passou por África. O colonialismo foi apenas um período curto na História, apesar de muito significativo. Alterou a trajetória dos países africanos. Não é possível reescrever a História, mas África pode reinventar-se desde que rearticule os legados históricos – incluindo o passado colonial – e escolha o seu caminho. Não me parece que isso esteja a acontecer. Não estamos a decidir que sociedade queremos. Para mim, essa é a questão central. Que tipo de equilíbrio pretendemos entre economia, ecologia e espiritualidade? Que tipo de ser humano queremos? Se respondermos a estas questões, podemos construir um modelo de sociedade centrado na nossa visão da História.

As gerações pós-raciais podem desempenhar um papel decisivo?

Sem dúvida. Está na hora de nos reinventarmos com novas ideias e um olhar progressista, em vez de estarmos sempre presos ao lado negro da nossa história recente.

É muito crítico das ONG. Boas intenções não são suficientes?

Não são. Não todas, mas uma parte delas julgam saber o que é bom para as pessoas. É quase um pensamento colonialista. Quererem ajudar não significa que saibam o que é melhor para as pessoas. Ajudar significa dar às pessoas o poder de decisão sobre as suas vidas. Quando não se tem essa capacidade, quer dizer que a relação é de dependência. Algumas ONG contribuem para esse vínculo. Quando abandonam os programas humanitários, as pessoas ficam pior do que estavam. Este é o meu primeiro problema. O segundo é que a ajuda, a curto prazo, pode ser boa, mas inibe as pessoas de procurarem soluções próprias. É preciso tentar e falhar até encontrar as respostas necessárias. A longo prazo, vai ser prejudicial. A solidariedade deve ser repensada e envolver todos os agentes envolvidos neste processo. As pessoas devem poder escolher a forma de ser ajudadas.

Estamos a passar por um período de grande turbulência política em que algumas questões parecem ser opacas. O racismo tem diferentes camadas?

Absolutamente. Um amigo meu usou no novo livro que escreveu o conceito de “racismo menor”. É um tipo de racismo do dia-a-dia, das conversas… É muito difícil combatê-lo porque não está na lei. É mais informal. O problema do racismo é a definição através do outro. O outro define-te e cataloga-te sem te conhecer por haver uma série de características que um determinado grupo, que se julga superior, tem. E o racismo não se define apenas nas relações. Pode ser institucional e instalar-se nas relações políticas, quando uma cultura se julga superior à outra. 

Teve uma banda quando era estudante. A arte pode desempenhar um papel decisivo nestes processos?

As manifestações artísticas podem ser uma forma de combater o racismo. A literatura, a música e o discurso associado são muito importantes. Sobretudo a música é um bom exemplo. É uma arte participativa e de comunhão. É possível transmitir uma mensagem sem compreender uma palavra da letra, graças à vibração. A música é também um lugar de encontro sem hegemonias. A relação constrói-se apenas através da beleza ou das harmonias. Uma canção pode falar para toda a gente, mas o único critério de apreciação é a sensibilidade. E, além disso, é uma forma de lidar com a cultura do próximo. Mas pode também envolver riscos se a música africana for entendida de forma folclórica. Os ritmos são muito complexos na forma de tocar djembê ou bateria. Até na música, a abordagem é importante.felwine-sarr-151681-250-400

É possível pensar em África como um todo ou a dimensão não o permite?

O sonho de unificar o continente existe desde o séc. xix, mas é um projeto muito complicado devido à diversidade e às identidades locais. É complicado para os políticos abandonar a sua visão territorial e transpô-la para uma dimensão mais vasta. Era preciso partir de baixo e construir uma consciência pan-africana. Nada está feito para se construir um pensamento de pertença a uma comunidade maior. Há muito trabalho a fazer. Em 2050 seremos 2,5 mil milhões de pessoas. Não sei como será possível administrar tantas pessoas. É preciso repensar a formar de olhar para estas questões. Construir, e não apenas sonhar.

691b9e4_22266-px0jr7

Vê-se como um afro-sonhador? Afro-realista?

(risos) Não, estou apenas a tentar ser afro-lúcido. Olhar para a realidade sem óculos de euforia ou desespero. Por vezes é difícil compreender a realidade, por ser muito opaca, mas acredito que estão a acontecer boas dinâmicas a nível econômico e demográfico. Nas novas gerações há vontade de construir uma África nova. Estamos a viver uma crise que não é apenas económica. É filosófica, ética e moral. Temos uma ordem, mas não sabemos para onde estamos a ir. O neoliberalismo não deixou lugar para o ser humano. Provavelmente, todas as sociedades se estão a interrogar sobre a forma de escapar. Em África, as questões são mais urgentes. Por isso é que a questão da utopia é tão importante. É necessário um espaço na sociedade para a utopia. Deve haver lugar na mente para a imaginação. Para que o sonho seja ativo e possa ser real.

Acredita que as novas gerações veem África de uma forma inclusiva e articulada com o resto do mundo?

É interessante essa questão porque ainda esta manhã estive a trabalhar no título de um livro sobre a relação de África com o mundo. África como parte do mundo, e não isolada. As novas gerações africanas estão no centro do mundo e a forma como se relacionam com África é sentirem-se cidadãos do mundo. A dinâmica não é separada. A questão mais importante neste século passa por africanizar globalmente e vice-versa.

 

Fonte: https://ionline.sapo.pt/559090

 

UNILAB abre curso sobre a língua crioulo de Guiné Bissau

626cb65e-20a1-43aa-9339-17e20dd9766dO Crioulo da Guiné-Bissau em Português, Kriol (crioulo), é uma língua franca de 60% da população da Guiné-Bissau, sendo falado de uma forma diferente em Cabo-Verde. 160 mil pessoas usam crioulo como primeira língua na Guiné Bissau e mais 600 mil como segunda língua, enquanto que cerca de 13% da população fala português.
images

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) abriu inscrições para um curso do crioulo da Guiné-Bissau, que será ministrado como uma extensão na universidade.20170711-unilab-repudio-ao-corte-da-assistencia-para

O curso faz parte do projeto “Extensão Ensino-aprendizado de línguas crioulas de base portuguesa: o guineense” e será destinado a alunos, funcionários e a comunidade externa à Unilab.

Crônica do escritor angolano, Manuel Rui: “Nomenklatura, estado e república”

MANUEL RI

Manuel Rui

Nomenklatura, em língua russa, como nomenclatura em português têm origem no latim, num significado mais simples para “lista de nomes,” ou “burocracia” ou “casta dirigente.” A nomenclatura incluía altos funcionários do partido, devidamente hierarquizados, intelectuais, académicos, artistas ou escritores, gozando de privilégios a que não tinham acesso a maioria restante da população.

Teóricos como Bettelheim entenderam que a burocracia, tendo nascido da classe trabalhadora, no seu desenvolvimento histórico tornou-se numa classe social distinta do proletariado, o que levou mesmo a desenvolver-se a teoria de que havia luta de classes no interior da URSS.
Quando Michael S. Voslensky escreveu o livro “A NOMENKLATURA,” foi amaldiçoado pelo poder soviético, perdeu a cidadania (quais direitos humanos!) e fugiu para Alemanha para dar aulas numa universidade. Ele tinha pertencido à nomenklatura e desmontava para o mundo ver, qualquer coisa mista de dantesco, máfia e ficção científica mas que era realidade. A obra não deixou de ser um dos fundamentos que alimentou a Perestroika. No livro podem observar-se os seguintes tópicos: “classe escondida,” o nascimento da nova classe dominante, a classe dirigente da sociedade, a classe dos exploradores da sociedade, a classe dos privilegiados, a ditadura da nomenklatura, a classe que aspira à hegemonia mundial e uma classe parasitária.
A obra correu aqui clandestinamente, nos tempos de “sob o olhar silencioso de Lenine.” Consegui o livro através de um académico brasileiro. Emprestei-a a um amigo do Comité Central do partido único. Não demorou muitos dias a lê-lo. Depois veio a minha casa, enquanto bebíamos moeda que era a cerveja, chamou-me de contrarrevolucionário e não me devolveu o livro.
Transcrevo este pequeno extratacto: “os dirigentes constituem um grupo humano numeroso, que se distingue dos outros grupos da sociedade soviética por seu lugar (preponderante) no sistema de produção social; por sua relação com os meios de produção (o direito a dispor deles); por seu papel (director) na organização social do trabalho e pela parte (importante) da riqueza social de que se apropria. Esse grupo dirigente constituía uma classe que se escondia com o nome de outra – o proletariado. Mas o próprio proletariado, por ser mais abrangente e disseminado na sociedade, não tinha relação com a classe no poder.
De 1985 a 1991, com Gorbatchov ocorreu a Perestroika que quer dizer reestruturação e a glasnost que significa transparência, face ao esgotamento das formas de organização social soviética. Foi só começar a executar as linhas principais do seu pensamento para a URSS ruir como um baralho de cartas.
Poupando espaço, a Nomenklatura em funcionamento era o aparelho ou apparatchik. Que mandava executar tudo. Os ministérios eram fachadas para executarem as ordens do aparelho e a constituição valia menos que os estatutos e regulamentos da Nomenklatura. Os cidadãos eram policiados pelas secretas e os discordantes iam parar aos campos de concentração chamados gulags. As obras que começaram a denunciar estes campos e outras como o “pavilhão dos cancerosos,” foram pressupostos valiosos para a “pintura” que Gorbatchov queria fazer e não conseguiu porque as paredes ruíram antes. Verdadeiramente, estado e república(s) eram uma ficção. Certo é que mal acabou a URSS começaram a aparecer os milionários a comprarem clubes de futebol ou a coleccionarem iates e carros fórmula um.
Quem muito padeceu com tudo isso foram os escritores cuja união funcionava no partido, como em Cuba. Nunca me esquece de um internacionalista que trabalhou aqui, mais tarde, em Havana, era da segurança e “atendia” à União de artistas e escritores. Entre nós, no primeiro encontro de escritores apareceu na UEA um elemento da Disa para “acompanhar” os trabalhos.
Os movimentos de libertação das ex-colónias portuguesas que chegaram â independência e ao poder, por razões históricas e não só, aparecem com Nomenclatura, partido único e um chefe que é ao mesmo tempo o Presidente da República. O governo é para executar o que o aparelho entender. Mas há momentos de alta preocupação em que o governo não se intromete numa questão de interesse nacional. Foi o exemplo da tragédia do 27 de Maio. Tudo foi discutido pela Nomenclatura e aí foram tomadas as decisões. Depois do golpe falhado, não foram remetidos aos tribunais civis ou militares quaisquer processos, em suma, a nomenclatura foi quem decidiu sem prestação de contas. Nem Estado nem República. Neto teve que temperar os exageros da Disa…
Com o advento do multipartidarismo, a nomenclatura continuou dona disto tudo com a atrapalhadora situação do chefe ser também chefe de estado. Essa parte é para os historiadores. Parece que hoje encetámos o bom caminho. Os partidos têm as suas ideologias e estratégias, não só para ganharem eleições mas para trabalharem no parlamento. O Presidente da República é o Supremo Magistrado da Nação eleito pelo povo. A partir daí é desnumenclaturizado. Subordina-se apenas à constituição, escolhe os membros do Governo pelo mérito e tem relacionamento institucional com os outros poderes de Estado. Assim, temos Presidente, Estado e República. E isso já levou a consensos com a oposição. Era aqui que queríamos chegar com o limite dos 5000 caracteres incluindo espaços.
Curiosamente, parece que muita gente da pirâmide da nomenclatura, como na URRS, é hoje milionária…

 

http://jornaldeangola.sapo.ao/opiniao/artigos/nomenklatura_estado_e_republica

Presidente de Angola na sua primeira audiência prestigia os artistas

artistas em visita ao presidente da republica de Angola

Durante uma audiência no Palácio Presidencial da Cidade Alta, assistida pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, os músicos e demais fazedores de arte expuseram as suas pre­ocupações, principalmente ligadas a direitos autorais, in­­centivos na importação de discos e a carteira profissional.
No final, os artistas elogiaram a abertura do Chefe de Estado para ouvir as suas preocupações e o empenho para resolver os problemas apresentados. O saxofonista Nanuto destacou, entre as garantias dadas pelo Presidente João Lourenço, o apoio para a instalação de uma fábrica de discos em Angola, para minimizar as dificuldades dos músicos com os altos custos de importação de discos.
Nanuto revelou que o Chefe de Estado garantiu que a fábrica de discos pode surgir como investimento privado e que o Executivo daria todo o apoio necessário, para que o país possa contar com a estrutura o mais breve possível. “O Presidente pediu-nos para apresentarmos projectos”, disse o saxofonista, para acrescentar que, pela conversa mantida, deu para observar que o Presidente da República “desconhecia muita coisa” de que ficou ao corrente depois de ouvir dos próprios músicos e fazedores de arte.
O compositor Paulo Flores, que ofereceu ao Presidente da República o seu mais recente disco, intitulado “Candongueiro Voador”, também elogiou a abertura ao diálogo e a forma como João Lourenço permitiu que os músicos expusessem as suas preocupações.
O humorista Cesalty Paulo, do grupo os Tunezas, afirmou que o facto de o Presidente da República ter recebido os fazedores de arte na sua primeira audiência do ano mostra bem a importância que o Titular do Poder Executivo dá à Cultura.
No dia 29 de Setembro, três dias após a investidura como Presidente da República, João Lourenço também recebeu um grupo de músicos, aos quais elogiou o trabalho, pela recriação e renovação das variadas linhas melódicas e introdução de novas propostas que,  segundo o Presidente da República, tocam o coração dos angolanos e rompem fronteiras.
Em Agosto, ainda enquanto candidato a Presidente da República, João Lourenço assumiu o compromisso de conjugar esforços para potenciar o financiamento à cultura através do reforço da legislação e da criação de condições para o fomento de empresas que possam obter lucros com os produtos culturais.
João Lourenço prometeu cumprir cabalmente as linhas orientadoras da política cultural, que prevê o aumento da rede de infra-estruturas culturais por todo o país, da qual fazem parte bibliotecas, arquivos, museus, casas de cultura, teatros, cinemas e outros espaços. A acção, explicou o Presidente João Lourenço, implica, igualmente, o aumento de quadros nas respectivas especialidades, que garantam o normal funcionamento das instituições.
“Não podemos deixar em mãos alheias os créditos firmados por insignes cultores das nossas mais variadas expressões artísticas que fizeram da marca Angola um modelo ímpar e exemplar”, assinalou o Presidente da República, que destacou igualmente a importância do desenvolvimento das indústrias culturais ligadas à produção de livros, à realização do carnaval e à recuperação da produção cinematográfica.
“Estamos certos que, apesar das actuais dificuldades, passos certos serão dados para que todas as expressões das artes e da cultura possam encontrar os recursos e as in­fra-estruturas que garantam o seu desenvolvimento”, disse, para lembrar que o as­sociativismo cultural é uma via para a promoção das artes e da cultura.
O Presidente da República garantiu trabalhar para que a cultura assuma um lugar de relevo na economia, participando na diversificação e na geração de riqueza e bem-estar para as comunidades e defendeu a criação de oportunidades de trabalho e rendimento para os criadores, para forjar a identidade nacional e os valores fundamentais.

Ministra da Cultura garante que já há dinheiro para o carnaval

O Carnaval deste ano, que sai às ruas no dia 13, já tem dinheiro garantido, de acordo com a ministra da Cultura. Carolina Cerqueira prometeu uma grande festa da unidade nacional, da expressão da riqueza do saber, do ser dos angolanos e do sentir, através dos vários símbolos que são transmitidos pelos grupos durante os desfiles.
Em declarações à imprensa no final da audiência que o Chefe de Estado concedeu aos músicos e outros fazedores de arte, a ministra disse ter recebido garantias do Ti­tular do Poder Executivo de que não vão faltar verbas pa­ra que os grupos possam apre­sentar-se durante os desfiles de forma digna. Carolina Cerqueira afirmou que o conforto institucional transmitido pelo Presidente João Lourenço é prova que o sector da Cultura pode avançar para as indústrias culturais com projectos que fortaleçam essa actividade.
Em declarações recentes à RNA, a ministra da Cultura afirmou que o Ministério pretende que o Entrudo de Luan­da passe a contar com grupos de outras províncias, em representação da cultura nacional, de todas as expressões de folia, alegria e de cor de Cabinda ao Cunene.
Esta ideia, segundo Carolina Cerqueira, começa a ser efectivada a partir deste ano, com a participação de grupos de cinco províncias como forma de o tornar mais nacional e representativo

http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/presidente_recebe_artistas

Wole Soyinka: a voz crítica da realidade africana

wole-soyinka.jpg

Nascido na Nigéria, primeiro africano ganhador do Nobel da Literatura, em 1986, Wole Soyinka esteve no Rio Grande do Sul a convite da Bienal do Mercosul, para falar na 63ª Feira do Livro de Porto Alegre. Nesta entrevista, ele trata de tolerância, diversidade, arte de guerrilha e dos métodos que usa para escrever as suas obras.

Correio do Povo: O senhor defende como escritor e intelectual um mundo de diversidade e tolerância. O momento atual pode ser visto como de retrocesso em relação a esse ideal?
Wole Soyinka: Um pouco de duas coisas. Está retrocedendo, mas também está evoluindo. A maioria das pessoas considera a diversidade como algo bom. Sem diversidade a vida seria muito enfadonha. Mas houve momentos na história em que grupos usavam esse tipo de questão para explorar outros. Havia uma ideia de que eliminar a diversidade equivaleria a suprimir as diferenças de classe, as diferenças sociais. Mas essa ideia é falsa. Quem pensava assim não entendia que as diferenças culturais costumam melhorar a produtividade e o entendimento entre as pessoas. Estamos, porém, retrocedendo em termos de tolerância. É o que se vê, por exemplo, com o islamismo radical.

CP: O mundo ocidental tem como aceitar essa ideia de pluralidade?
Wole Soyinka: Nas minhas experiências no Brasil, em Cuba e na Colômbia, encontrei pessoas que se identificam com essa cultura pluralista. Há quem retorne à África para se reconectar com esses valores. O sincretismo mostra que se a pessoa está com a mentalidade aberta essa convivência é natural.

CP: O senhor disse que tem a impressão de que parte dos brasileiros tem essa ligação com a África e que outra parte a ignora. É isso mesmo?
Wole Soyinka: A nossa cultura carrega em si a concepção da diversidade. Entendemos e aceitamos que existam outras visões de mundo, que não são excludentes. Na África, o islamismo e o cristianismo entraram, mas não se foi tentar resgatar os que se converteram. Nossa postura é de convivência e de aceitação das diferenças. Há até quem sem converta por loucura.

CP: O senhor tem apontado o Boko Haram como a grande ameaça na Nigéria. Como foi possível que um grupo extremista islâmico se encravasse numa cultura de tolerância?
Wole Soyinka: 
O fato é que entre os convertidos ao islamismo radical que mais levam ao pé da letra o que defendem, muito poucos são de origem iorubá. Conheço um líder iorubá, membro do governo, radicalizado que não deixa a esposa receber em casa ninguém que não seja convertido ao islamismo. Tem um membro do governo que usa luvas para não tocar com as mãos nuas em nenhuma mulher nas suas ações oficiais. Mas esses são exemplos raros.

CP: Escritor político, o senhor esteve preso, critica ditadores e não poupa o autoritarismo. A queda de Robert Mugabe será a libertação do Zimbábue ou apenas mais um capítulo numa longa novela de ditaduras?
Wole Soyinka: 
Em todas as sociedades existem homens que acreditam ter encontrado o segredo da vida e da morte. O mesmo vale para o poder. Existem homens que acreditam saber como nunca mais perder o poder. Mugabe, no começo, lutou de maneira libertária para livrar seu país da opressão colonialista. Com o passar do tempo, no entanto, alienou-se e passou a praticamente se identificar com as forças coloniais expulsas. Para nossa cultura, porém, não existe poder eterno. A hora de Mugabe teria de chegar. Mugabe não é o fim nem foi o começo de coisa alguma. Ele é apenas mais um capítulo nessa marcha rumo à libertação, uma das últimas figuras a ainda a acreditar na perenidade do seu poder.

CP: A saída desse tipo de homem muda um país ou é só mais uma ilusão?
Wole Soyinka: 
Há algum avanço, pois essa saga de Mugabe foi instrutiva no sentido de que a oposição ficou mais madura. Os generais estão tirando-o do poder lentamente de modo a evitar uma ruptura traumática.

CP: Durante um tempo o senhor dizia fazer teatro de guerrilha. Hoje, consagrado pelo Nobel, ainda faz uma espécie de arte de resistência?
Wole Soyinka: Se eu continuasse a fazer sempre o mesmo teatro, sofreria uma espécie de atrofia mental. O meu teatro também precisa de diversidade. A minha última peça é meio uma farsa que trata do fato de que muitas pessoas se recusam agora a falar a língua iorubá com o sotaque certo. Falar sem esse ritmo, de uma língua tonal, é perder metade da sua força. Como é difícil ficar livre de um hábito, contudo, agora me dou conta de que dentro dessa minha peça tem algumas críticas a governantes.

CP: O senhor disse que não consegue entender os escritores que levantam de manhã e já começam a produzir. É muito difícil escrever?
Wole Soyinka: 
Não sou um escritor metódico. Gosto de ter bastante tempo para trabalhar. Posso virar madrugadas. Às vezes, dou uma parada, tomo um expresso e, quando me falta inspiração, saio para dar uma caminhada. Quando a inspiração vai embora, é preciso fazer outra coisa, ouvir música, andar, espairecer. É dessa maneira que trabalho.

CP: Há sempre um grande interesse pela ‘‘cozinha’’ dos escritores. Hemingway dizia trabalhar 12 horas por dia para obter um parágrafo. O senhor consegue produzir grandes fragmentos de texto num único dia de trabalho?
Wole Soyinka: 
O meu processo é muito parecido com o de um escultor. Quando um escultor começa normalmente ele tem uma ideia de onde quer chegar, mas ao tirar pedaços da pedra vê que sua ideia inicial pode ser redirecionada para outro lugar. Hoje, com o computador, é uma pena não termos mais provas físicas desse trabalho de transformação, desse suor, ver todas as páginas que foram arrancadas e rasgadas, tudo que foi riscado. Eu me sinto assim.

CP: O escritor francês Michel Houellebecq diz que quando está possuído por uma ideia precisa escrever para se livrar dela. Acontece com o senhor?
Wole Soyinka: 
Quando sou possuído por uma ideia tenho pena das pessoas à minha volta. Nesses momentos, tudo que não seja escrever, como dar aula ou receber pessoas, vira inimigo. Quando vejo uma modelo rindo numa propaganda como essas de creme dental, com aquele sorriso falso, sei que é exatamente assim que fico quando estou possuído por uma ideia que precisa sair.

CP: A literatura tem futuro num tempo em que, segundo uma pesquisa, duas pessoas em cada três veem Netflix até mesmo quando estão na rua?
Wole Soyinka: 
Será difícil matar a literatura não só pelo poder da palavra escrita, mas por causa do livro como objeto. Nem sei o que é Netflix. Prefiro ver filmes no cinema. Tento ver no avião, mas acabo dormindo. Trabalho nos aviões e talvez durma rapidamente por já estar esgotado.

CP: Por que o teatro lhe pareceu a forma de expressão mais conveniente?
Wole Soyinka: 
Nasci num meio muito teatral, com muito teatro de rua e muitas mascaradas, que são espetáculos metade sagrados metade profanos. Cheguei a escrever contos. Na verdade, sou atraído por muitos meios de expressão. Eu me sinto um arquiteto fracassado, um músico fracassado…

CP: Uma frase sua diz que ‘‘o homem morre em todos os que se calam’’. Calar não é em certas circunstâncias a única forma de sobreviver?
Wole Soyinka: 
Nessas circunstâncias é uma estratégia pessoal e cabe a cada um perceber quando é o momento de esperar um pouco, inclusive de aconselhar os outros a esperar. Outra situação que exige o silêncio é quando a gente fala, fala e vê a sociedade fazendo exatamente o contrário do que lhe é dito. É insuportável ficar ouvindo a própria voz cair no vazio. Outro momento para calar é quando surge uma nova geração para assumir certas causas. Dá vontade de deitar a cadeira e pegar uma taça de vinho.

CP: Um escritor num país africano ou no Brasil, lugares de muita desigualdade, tem a obrigação de falar, de denunciar, de se engajar?
Wole Soyinka: Não. Eu não vejo qualquer problema em literaturas escapistas como a ficção científica, que são produtos da imaginação, pois elas, às vezes, apontam outros modos de vida não diretamente políticos. O engajamento obrigatório pode resultar em pura propaganda.

CP: Ano passado, estive em Moçambique. É lindo e chocantemente pobre como muitas partes do Brasil. O senhor consegue imaginar num tempo razoável uma África democrática, desenvolvida e igualitária?
Wole Soyinka: 
Sim. Estamos a caminho disso, mas muito lentamente. Eu me sinto incomodado quanto estou ao volante do meu carro e vejo crianças mexendo no lixo em busca de comida. Machuca a alma e deixa até o que comemos com gosto ruim. A África, porém, não precisa inventar a roda. Coisas já mudaram.

CP: O Brasil é o décimo país mais desigual do mundo. A África do Sul é o primeiro. A desigualdade tornou-se o principal ponto em comum entre Brasil e África?
Wole Soyinka: 
Visitei favelas brasileiras. É uma pobreza muito similar à que temos na África. Lembro dos protestos na época da Copa do Mundo para que o evento não acontecesse por causa dessa desigualdade. Apesar disso, não é necessário esperar que todos sejam iguais para que alguns progressos ocorram. Não devemos sobretudo ficar esperando assistencialismo externo.

por Juremir Machado da Silva

http://www.correiodopovo.com.br/blogs/dialogos/2017/11/1510/wole-soyinka-sera-dificil-matar-a-literatura/

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
Anúncios