.
arquivos

Angola

Esta categoria contém 659 posts

Pesquisas eleitorais de empresas brasileiras estão no centro do debate em Angola

zedu.pngUma empresa brasileira realiza uma sondagem em Angola e surge uma empresa angolana a desmentir que essa sondagem tenha sido feita, apenas e através dos órgãos de comunicação social do Estado, com destaque para o Jornal de Angola.

Parece anedota, e é.

Mas foi o que se passou com a história da sondagem feita pela empresa brasileira Sensus, que, além de colocar o MPLA em minoria nas eleições que aí vêm, apresentou um quadro catastrófico, divulgado pelo Maka Angola, da opinião da população relativamente ao governo do MPLA.

Depois da publicação da sondagem apareceu um tal de consórcio Marketpoll Consulting a desmentir os dados, acusando o Maka Angola de todos os desmandos e mais alguns, e ameaçando com mais processos judiciais, mantendo a táctica do regime de submeter Rafael Marques de Morais à ameaça e à pressão constante de acções judiciais contra si.

A questão é que a Marketpoll Consulting não é uma entidade independente, imparcial ou sequer neutral. É uma sociedade recente, constituída em 23 de Junho de 2015, no Cartório Notarial do Guiché Único da Empresa, por Frederico Manuel dos Santos e Silva Cardoso, secretário do Conselho de Ministros e membro do Comité Central do MPLA. O director do Departamento para a Política de Quadros e membro do Comité Central do MPLA, Joaquim José Miguéis, também é sócio.

O objecto social da empresa é o planeamento e execução de campanhas, execução de pesquisas, desenvolvimento e produção de materiais de campanhas, entre outros. Facilmente se percebe que é um braço do MPLA para a execução da campanha eleitoral de 2017.

Entre 2003 e 2008, Frederico Cardoso exerceu as funções de director do Gabinete de Coordenação de Estudos e Análises do Comité Central do MPLA, e, de 2004 a 2008, foi, cumulativamente, chefe de gabinete do vice-presidente do MPLA Pitra Neto.

Em 2008, então na qualidade de director da Valleysoft, Frederico Cardoso foi um dos pivôs da fraude eleitoral desse ano, e com isso foi recompensado com o cargo de chefe da Casa Civil do presidente da República. Na altura, Frederico Cardoso também concorria às eleições e conquistou um assento no parlamento.

Esta Valleysoft, da qual Frederico Cardoso era sócio e gestor, formou consórcio com a infame empresa espanhola Indra para a provisão de soluções tecnológicas para o processo eleitoral. O custo inicial do contrato era de 61 milhões de dólares, mas foi logo inflacionado para 200 milhões de dólares.

Não há muito mais que possa dizer-se sobre a promiscuidade deste dirigente do MPLA e das razões de tão desastrada defesa ao declarar a inexistência de um relatório encomendado pelos seus superiores.

Portanto, o que temos aqui é um desmentido mentiroso. Trata-se de Frederico Cardoso, o homem do aparelho e do controlo das eleições do MPLA, a vir, por intermédio de supostas empresas de fachada, negar a sondagem publicada por Rafael Marques de Morais. Não é por se colocarem uns nomes em inglês que as empresas passam a ser credíveis.

Sejamos muito claros: esta Marketpoll é MPLA, é Frederico Cardoso. Os seus desmentidos nem valem o papel em que foram escritos. São apenas fases da ofensiva de propaganda em curso.

Além de se revelar a falsidade deste desmentido por parte de uma empresa de fachada do MPLA, há que averiguar, afinal, por que razão está a Sensus, empresa brasileira, associada a um dirigente do MPLA?

Será que estamos novamente perante as confusões milionárias de dinheiros entre MPLA e o Brasil, que levaram à prisão e condenação de João Santana? João Santana foi o marqueteiro brasileiro responsável pelas campanhas de JES e do MPLA, e devido a lavagem de dinheiro foi condenado a uma pena efectiva de prisão de oito anos pelo juiz Sérgio Moro.

Não podemos deixar de colocar a questão: que dinheiros andam a circular entre a Marketpoll do MPLA e a Sensus brasileira? Haverá aqui outra vez a possibilidade de lavagem de dinheiro?

Se querem processos judiciais, talvez seja de começar a investigar estas relações financeiras que, mais uma vez, se estabelecem para efeitos de campanha eleitoral entre o MPLA e o Brasil.

https://www.makaangola.org/2017/08/o-desmentido-mentiroso/

Proteína animal em Angola tem grande potencial de crescimento

A produção interna de carnes está aquém das necessidades do mercado, uma situação que o Governo pretende inverter nos próximos anos com os investimentos em curso em todo o país, afirmou o secretário de Estado da Agricultura para o Sector Empresarial.

Feira do Lubango exibiu potencialidades agropecuárias durante quatro dias
Fotografia: Arimateia Baptista | LubangoCarlos Alberto, que falava no encerramento da 14.ª edição da Feira Agropecuária, enquadrada nas Festas da Nossa Senhora do Monte, referiu que no ano passado o país importou 420 mil toneladas de carne bovina, suína e aves.
No mesmo período, salientou, a produção interna foi de, aproximadamente, 50 mil toneladas.  “Temos de modificar essa situação, porque as potencialidades da região são enormes, carecendo apenas de esforço, tanto do sector empresarial, como do Executivo, que continuará a prestar o seu apoio institucional”, disse.
O secretário de Estado afirmou que, juntar criadores para trocar experiências, sensibilizar outros intervenientes na cadeia produtiva, na tentativa de obter consensos para que haja uma participação efectiva de todos, é uma iniciativa valiosa.
O governante considera que o reconhecimento, a entrega de troféus, a exposição de animais e a realização de leilões devem constituir um estímulo para os criadores de gado. “É preciso aproveitar todas as oportunidades que a feira oferece não só para a realização de negócios, como para muita diversão”, referiu.
O presidente da Cooperativa dos Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA), Luís Nunes, defendeu um serviço técnico que reúna as condições para prestar uma assistência veterinária e zootécnica capazes de assegurar a profilaxia, a sanidade, o bem-estar e gestão dos animais. A assistência técnica eficaz na produção e conservação de pastagens e forragens, é outra acção defendida pelo presidente da CCGSA, que congrega mais de 82 fazendas. “É esta a nossa responsabilidade, enquanto cooperativa de criadores de gado, mas é necessário um maior investimento público de interesse para este sector, que deve ser garantido pelo Governo”, afirmou.
Luís Nunes disse que os associados depositam confiança e expectativa no futuro da região e do sector pecuário, alavanca do desenvolvimento económico e social.
“É fundamental uma atenção muito especial do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural nos apoios que devem ser prestados ao sector, para que os resultados de cada empresa e criador de gado sejam efectivos e contribuam, de facto, para o crescimento da economia angolana e não sejam apenas simples números estatísticos”, frisou.
O responsável defendeu a construção de um matadouro moderno e respectivas estruturas complementares, capazes de garantir o  abastecimento do mercado com gado produzido na região sul.
Luís Nunes defendeu a criação de uma estrutura de assistência técnica nos vários domínios da produção, abate e comercialização da carne. Neste momento, está em execução um programa de fomento e requalificação do gado do Sul de Angola, cujo protocolo já foi assinado com o Governo provincial da Huíla.
O programa visa o melhoramento genético do gado, principalmente ao nível dos pequenos criadores, com o objectivo de elevar o índice de crescimento e rentabilidade da produção, assim como melhorar a qualidade da carne. “São prioridades da Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola a defesa dos superiores interesses dos nossos associados e dos criadores de gado na sua generalidade”, indicou.

Mais carne e maior rentabilidade

A direcção da CCGSA está ciente da necessidade de estruturar o sector, com vista a uma melhor rentabilidade das explorações agro-pecuárias, empresariais e individuais, e aumentar a produção de carne e leite com mais qualidade. Luís Nunes garantiu que a direcção da cooperativa tem consciência de que os objectivos não serão conseguidos apenas pelos associados, mas também com a participação dos criadores individuais e, fundamentalmente, com o apoio do Governo, com linhas de crédito acessíveis e subsídios à produção. “Estamos de acordo e disponíveis para dar o nosso contributo neste processo, mas é necessário que se faça uma distribuição mais equitativa das disponibilidades do Orçamento para esse fim”, defendeu.
O líder cooperativo solicitou mais atenção das autoridades, numa altura em que sector primário da economia constitui uma prioridade na diversificação económica, “porque ele garante mais emprego e mais riqueza”.
Luís Nunes garantiu que a CCGSA tem capacidade para satisfazer uma parte significativa das necessidades do país, desde que lhes sejam garantidos os apoios necessários.
“Estamos conscientes de que os novos tempos vão trazer-nos uma realidade diferente, que o futuro vai exigir mais trabalho, mais sacrifícios, controlo da actividade e uma nova filosofia de gestão, mas acima de tudo sabemos que o país vai ser diferente”, referiu
A feira do Lubango, que terminou ontem com a presença de criadores de gado das províncias do Cuanza Sul, Namibe, Benguela, Huambo, Huíla e Cunene, expôs 390 bovinos de diferentes espécies durante os quatro dias do certame. Mais de 200 cabeças de gado foram leiloadas.Angola possui cerca de 3.850.000 cabeças de gado, cuja maioria se encontra na região Sul. A CCGSA enquadra 82 associados, todos eles grandes produtores.
Na sexta-feira, o Governo procedeu à inauguração do matadouro da Camabatela, na província do Cuanza Norte, com a finalidade de aumentar a oferta de carne, melhorar a dieta da população e criar mais de 200 postos de trabalho directos e indirectos para a juventude.
O projecto foi financiado pelo Governo espanhol com custos avaliados em 13,4 milhões de dólares norte-americanos . Construído a cinco quilómetros da sede municipal de Ambaca, o matadouro tem uma capacidade de abate de 200 bovinos e 300 caprinos por dia, perfazendo 52.800 animais por ano, além de sete toneladas de gordura animal que se prevê produzir por dia.

As pesquisas eleitorais em Angola estão divergindo.

Uma pesquisa realizada entre os dias 8 e 12 deste mês em todo o país pelo Consórcio Marketpoll Consulting, empresa angolana, e Sensus Pesquisa e Consultoria, empresa brasileira, dão vitória do MPLA e do seu candidato, João Lourenço, com 68 por cento dos votos.

João Lourenço vence as próximas eleições gerais
Fotografia: Francisco Bernardo | Edições Novembro

Para o inquérito nacional, foram realizadas quatro mil entrevistas nas 18 províncias do país, tendo como base os dados do Registo Eleitoral de 2017. Em cada comuna, procedeu-se ao cálculo estatístico das quotas por sexo, idade e escolaridade, com base no Registo Eleitoral de 2017 e no Censo de 2014. A margem de erro da pesquisa é de  2,5 por cento para mais e para menos.
A Sensus é uma empresa constituída há mais de 30 anos, tendo entre os seus clientes, instituições credíveis brasileiras, angolanas e outras, a nível internacional, como a ONU/PNUD, o Banco Mundial, a Universidade de Chicago, a Universidade de Michigan, a London Business School e outras de grande, médio e pequeno porte, registando, nos seus mais de 30 anos de actuação, a realização de cerca de 150 pesquisas por ano, totalizando mais de 4.500 pesquisas.
Os dados da Sensus são divulgados pela imprensa nacional e internacional, como a Globo, a Record, o Estado de São Paulo, o Jornal de Angola, a revista Sábado de Portugal, o Washington Post, o New York Times, o Financial Times, a revista Economist, dentre outros. A Sensus é membro da ABEP (Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa), tendo integrado o seu Conselho Director por oito anos, pautando-se, na realização das pesquisas, pelo Código de Ética da ESOMAR.

Sondagem falsa

O Consórcio Marketpoll Consulting e a Sensus Pesquisa e Consultoria desmentiram uma suposta sondagem eleitoral, veiculada pelo site “Maka Angola” no dia 10 de Agosto, e atribuída às duas empresas, que, de acordo com as consultoras, nunca foi realizada, sendo todos os dados contidos na matéria” falsos e irresponsavelmente difundidos”.
Num comunicado , as duas empresas afirmam que a matéria veiculada pelo “Maka Angola” socorre-se de uma fonte não credível, sendo completamente falsa e passível de responsabilização judicial, nos termos da lei angolana e no quadro internacional dos crimes cibernéticos.
“A Marketpoll/Sensus não reconhece e não aplicou qualquer questionário com o conteúdo veiculado por esse site, lê-se no comunicado, que acrescenta que atribuir à Sensus a “paternidade de tais dados demonstra uma clara tentativa de desinformação e manipulação da opinião pública nacional e internacional, com o objectivo de prejudicar o normal desenvolvimento do processo eleitoral em Angola”.
“ A Sensus não reconhece e demarca-se da autoria do conteúdo integral dessa sondagem (dados, tabelas, citações, conclusões), considerando-a da inteira e exclusiva responsabilidade do site Maka Angola, produto da sua imaginação e invenção, que reputa de irresponsável”, indica o comunicado.
A Marketpoll/Sensus afirma que trabalha em Angola em respeito à lei e dentro dos critérios técnicos e académicos nacionais e internacionais, de realização de inquéritos populacionais e rege-se pelo Código de Ética da ESOMAR World Research, entidade internacional que regula a conduta técnica e ética dos institutos de pesquisa.
Neste caso, acrescenta o comunicado, os dados das pesquisas, realizadas pela Marketpoll/Sensus diferem, radical e frontalmente, dos dados apresentados pelo site “Maka Angola” e que a Marketpoll/Sensus nunca realizou qualquer sondagem de opinião, com uma base amostral de 9.155 entrevistas no país.
“A Sensus Pesquisa e Consultoria repudia as ilações difamatórias e destituídas do mais elementar rigor científico, divulgadas pelo site Maka Angola, cuja autoria lhe é erroneamente atribuída, não devendo, por conseguinte, merecer crédito junto da opinião pública nacional e internacional”, lê-se no comunicado, em que acrescenta que tal procedimento é passível de responsabilização judicial, pelos danos morais aos promotores e à imagem da Sensus, a nível nacional e internacional.

Comício no Sumbe

O candidato do MPLA a Presidente da República orienta hoje, no Sumbe, Cuanza-Sul, um comício de apresentação das linhas de força do programa de governação para o período 2017-2022, caso vença as eleições gerais.

http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/sondagem_eleitoral_da_vitoria_ao_mpla

  Memorial entre Angola e Namíbia homenageia as vítimas de massacre

Lei do Investimento Privado de Angola precisa ser modificada para atender aos empresários

filda1

Nos dois anos de vigor da Lei do Investimento Privado, “nem tudo foi bom”, considerou sexta-feira, num denominado “Chá jurídico”, em Luanda, o director-geral adjunto da Unidade Técnica de Apoio ao Investimento Privado (UTAIP) do Ministério do Comércio.

 

Custódio Armando adiantou que, bom base no funcionamento das UTAIP – os organismos que lidam com as questões do investimento nos departamentos ministeriais -, o balanço que se pode fazer da lei aprovada a 11 de Agosto de 2015 “não é muito bom”.
O responsável declarou que o modelo já foi ensaiado no passado ao abrigo de leis anteriores e que já é consensual a ideia de que deve haver um único interlocutor institucional para os investidores.
“Este modelo seria o melhor, porque o investidor não precisaria de ‘bater várias portas’ para realizar o seu investimento”, apontou Custódio Armando.
“Há necessidade de se corrigir alguns aspectos da lei” e acautelar os da formação dos recursos humanos para a lei ser bem aplicada, reforçou o responsável, que secundou, nas suas afirmações, o presidente Associação Industrial de Angola (AIA).
José Severino defendeu, no encontro, que a Lei de Investimento Privado deve ser reformulada, para o que é necessário um balanço coordenado pela Unidade Técnica de Investimento Privado (UTIP) ou o Ministério da Economia, para avaliar se está aplicada, onde há ou não investimento e se está a reger as UTAIP.
José Severino disse que a Lei do Investimento suportava mais o crescimento da capacidade cambial do país mas, a partir do momento em que o preço do petróleo baixou, ficou desajustada.
O investimento estrangeiro em infra-estruturas, notou, que obriga que haja participação de capital nacional mínimo de 35 por cento nas empresas operadoras e a ausência de incentivos para a promoção de obras nas zonas do interior para se combater as assimetrias regionais são duas deficiências de lei.
Em relação às UTAIP, o presidente da AIA defende a descentralização, embora deva ser concedido poder de harmonização e a observação à Agência de Apoio à Importação e Exportação (APIEX).
A maior parte dos ministérios, apontou, não se prepararam para receber os serviços de investimento e aplicar a lei, o que cria constrangimentos.
De realçar que, na altura de adopção da lei, o presidente da AIA declarou discordar da redução, no novo texto, das Zonas de Desenvolvimento para efeitos de atribuição de incentivos fiscais, de cinco para duas.
José Severino afirmou naquela altura que a AIA era da opinião que se deveria manter as cinco zonas de incentivos fiscais e criarem-se mais incentivos para as zonas do Leste de Angola.
Notou que a região do Leste do país precisa de mais competitividade e, se o diploma que regula o investimento privado mantivesse as zonas existentes na antiga lei e aumentasse os incentivos e benefícios fiscais e aduaneiros para ali destinados, obter-se-ia competitividade empresarial com os países vizinhos e a integração na Zona de Comércio Livre.
O coordenador do debate, Moisés Caiaia, avançou, em declarações ao Jornal de Angola, que o “Chá jurídico”, o programa de debates iniciado sexta-feira, tem uma periodicidade mensal e visa discutir questões académicas e técnicas sobre algumas leis que, no dia-a-dia, são aplicadas com resultados positivos ou negativos.

Como resultados positivos, apontou Moisés Caiaia, no caso da Lei do Investimento Privado, a atribuição de competência aos titulares dos departamentos ministeriais para decidir sobre matérias de investimento, e, como negativas, as parcerias obrigatórias entre naturais e estrangeiros, uma prática que inibe o capital externo.

http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/lei_do_investimento_da_pouco_resultado

Eleições em Angola é momento decisivo para o futuro do país

O secretário-geral do MPLA, Paulo Kassoma, considera o dia 23 de Agosto um momento decisivo para o futuro do país, em que os angolanos vão às urnas votar no partido que vai governar Angola nos próximos cinco anos.

Secretário-geral do MPLA apresentou o programa no Tômbwa
Fotografia: Afonso Costa | Edições Novembro | Namibe

Falando num acto de massas, na praia do Banho, no município do Tômbwa, província do Namibe, Paulo Kassoma salientou que esta será a data em que a história da democracia vai consagrar a vitória do MPLA, o partido que melhor responde à confiança do povo angolano.
O político sublinhou que o MPLA conduziu o povo à conquista da independência e preservação da soberania, da paz e reconciliação entre irmãos desavindos pela guerra e continua a garantir a união entre todos os angolanos, premissa importante para a reconstrução da pátria.
Disse que as atenções do próximo governo do MPLA vão estar centradas, fundamentalmente, no desenvolvimento de Angola, alicerçado no homem, como centro de toda a acção, no fomento do emprego e estímulo ao investimento privado em todas as cadeias produtivas.
O MPLA definiu uma atenção especial para o ensino superior, a melhoria da prestação dos serviços hospitalares e o alargamento da base de dados de quadros nacionais em todos os domínios económicos e sociais, estimulando assim a oferta educativa de qualidade para os docentes.
“O MPLA defende ainda a aposta do seguimento do sector empresarial, nas micro, pequenas e medias empresas, como forma de estimular o emprego e o crescimento dasiniciativas privadas, alargando a escala da classe e dos contribuintes em Angola”, disse Paulo Kassoma, para quem as potencialidades turísticas, agropecuárias, pesqueiras, geológicas mineiras, vão permitir gerar centenas de empregos.
O político sublinhou que a entrada em funcionamento do corredor mineiro, proporcionará mais empregos para a juventude, e, para tal, é preciso que esta franja da sociedade aposte seriamente na sua formação académica.
Reconheceu os ganhos que a província obteve nestes 15 anos de paz com a construção e reabilitação de estradas que permitiram a livre circulação de pessoas e bens, a melhoria dos sistemas de abastecimento de água e energia eléctrica e a abertura de novas unidades de ensino superior, fundamentalmente do sector das pescas, com a abertura da Academia de Pescas e Ciências do Mar.
“O Tômbwa está a ressurgir com a construção de novas infra-estruturas, concretamente, do porto pesqueiro, e reabilitação de unidades pesqueiras e de transformação, os quatro mil focos habitacionais construídos nas duas centralidades, que proporcionarão o sonho da casa própria da nossa juventude; isso tudo é obra do MPLA e vamos continuar a trabalhar para que novos projectos possam surgir”, disse Paulo Kassoma.

http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/mpla_pede_voto_decisivo_para_o_futuro_a_23_de_agosto

Irã terá embaixada em Luanda – Angola

filda1

O Irã pretende abrir uma embaixada em Luanda em 2018, informou hoje o Ministério das Relações Exteriores de Angola, após reunião do titular da pasta, Georges Chikoti, com o homólogo iraniano, em Teerão.

De acordo com informação prestada à Lusa, o chefe da diplomacia angolana representou o chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, na cerimónia de posse do Presidente reeleito da república islâmica do Irão, Hassan Rouhani, realizada no sábado, seguindo-se hoje uma reunião de trabalho com o homólogo iraniano, para reforço da cooperação bilateral.

“O ministro dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Java Zarif, disse que o Irão deseja abrir embaixada em Luanda, já no próximo ano para facilitar a cooperação com as autoridades angolanas. Ao ministro Chikoti, o chefe da Diplomacia iraniana exprimiu também o desejo de o seu país desenvolver com Angola uma cooperação nos sectores da construção, engenharia civil, banca, investimentos e ensino”, informou à Lusa fonte do Ministério das Relações Exteriores angolano.Geoges Chikoti

Acrescentou que o ministro Mohammad Java Zarif aceitou igualmente o convite de Georges Chikoti para uma visita oficial a Angola.

Angola e o Irã são dois grandes produtores regionais de petróleo, respectivamente, com à volta de 1,7 milhões e 3,1 milhões de barris de crude por dia.

A Lusa noticiou em finais de 2015 que a empresa Petropars, de origem iraniana, foi excluída pelo Governo angolano do grupo empreiteiro que explora a produção de petróleo no bloco norte da zona terrestre de Cabinda, por alegado incumprimento contratual.

A informação consta de um decreto-executivo, assinado pelo ministro dos Petróleos de Angola, José Maria Botelho de Vasconcelos, ao qual a Lusa teve acesso, que retira a participação de 10% detida pela Petropars naquele bloco, no ’onshore’ de Cabinda, que “passará a ser detida pela Sonangol Pesquisa e Produção”.

O grupo iraniano integra o grupo empreiteiro constituído para operar o bloco terrestre norte de Cabinda depois de ter adquirido aquela quota ao grupo InetrOil, em 2009.

Segundo informação da própria Petropars, esta petrolífera foi criada em 1998 para apoiar o desenvolvimento e utilização dos recursos energéticos iranianos.

De acordo com o decreto-executivo do Governo angolano, a Petropars “demonstrou não possuir os requisitos exigidos por lei, faltando ao cumprimento das obrigações económicas e financeiras relacionadas com o pagamento da quota-parte dos custos incorridos pelo grupo empreiteiro nas operações petrolíferas do bloco”.

Esse “incumprimento”, lia-se ainda, tem “dificultado a normal execução das operações petrolíferas” naquele bloco, tendo o Ministério dos Petróleos decidido a “exclusão” da empresa Petropars do grupo empreiteiro.

A operação neste bloco é liderada pela operadora italiana ENI (Angola), com uma quota de 38%, integrando ainda a estatal angolana Sonangol Pesquisa e Produção (agora com 30% da sociedade), a Soco Cabinda (17%) e a Acrep Exploração petrolífera (15%).

http://noticias.sapo.ao/info/artigo/1510082.html

Angola pretende comprar geradores e equipamentos de geração fotovoltaica

fotova

O Governo angolano pretende comprar geradores e equipamentos de geração fotovoltaica para garantir electricidade em locais isolados do país, num negócio de quase 100 milhões de euros.De acordo com uma autorização presidencial para o contrato de aquisição, que será feito à empresa angolana Aenergia, constituída em 2012 e parceira da norte-americana General Electric, o negócio envolve o fornecimento, instalação, comissionamento e assistência técnica de geradores industriais, geradores domésticos, bem como de “kits de geração fotovoltaica”.fotovaico

Será ainda assegurado o fornecimento de equipamentos para montagem de redes de alimentação, envolvendo sistemas eléctricos isolados da cobertura nacional, num contrato global, autorizado por despacho presidencial, a rubricar entre o Ministério da Energia e Águas e a Aenergia, por 114,2 milhões de dólares (98,7 milhões de euros).aaSolar-Animacaoenergi

O recenseamento da pop7ulação realizado em Angola no mês de maio de 2014 concluiu que o acesso à rede de electricidade é apenas garantido a 1,7 milhões de casas (31,9% do total), quase exclusivamente em zonas urbanas, já que na área rural apenas 48.173 agregados familiares são servidos.

O estudo identifica que as lanternas são a segunda principal fonte de iluminação e servem mais de 1,752 milhões de famílias (31,6%) em Angola.

Seguem-se em alternativa os candeeiros (14,3%) e os geradores (9,3%).

Até final deste ano, o Governo prevê praticamente duplicar a electricidade produzida e injectada na rede pública nacional, com a construção de novas barragens e uma central de ciclo combinado, a gás, chegando aos 5.000 MegaWatts de potência instalada, ainda insuficiente para cobrir o défice nacional de produção eléctrica.

http://noticias.sapo.ao/info/artigo/1510083.html

Hidroelétrica de Laúca em Angola começa a funcionar com financiamento do Brasil

 

Cinco anos depois do início das obras, a barragem hidroeléctrica de Laúca entra em funcionamento hoje, com a inauguração da primeira de um conjunto de seis turbinas instaladas. Localizado na província de Malanje, o empreendimento que partilha o rio Kwanza com as barragens de Cambambe e Capanda, adiciona 2.070 megawatts (MW) à rede nacional de electricidade.

A obra foi desenvolvida  pela construtora brasileira Odebrecht com financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), que foram interrompidos em 2015, na sequência da crise econômica e política no Brasil, que levou ao afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff.

A primeira turbina da Barragem de Laúca começa hoje a produzir energia eléctrica
Fotografia: Rogerio Tuti | Edições Novembro

As restantes cinco turbinas entram gradualmente em funcionamento até 2018, mas já é ponto assente que Laúca é a maior barragem do país e que o rio Kwanza, onde perfilam agora três aproveitamentos hidroeléctricos, é a maior fonte de respostas às necessidades de electricidade do país, com margem para o surgimento de novas barragens.
Laúca resulta de um investimento público de 4,3 mil milhões de dólares, como parte do projecto “Angola Energia 2025”, que prevê o aumento substancial da oferta electricidade  às populações e ao sector produtivo.
Dados consultados pelo Jornal de Angola apontam para um aumento da procura de energia no país na próxima década, quatro vezes superior aos níveis actuais. Estima-se que a demanda atinja 7,2 Gigawatts até 2025, contra os 1,5 Gigawatts.
No quadro do projecto Angola Energia 2025, está previsto um incremento da potência instalada de 2 Gigawatts para 9,9 Gigawatts. A meta é chegar aos 60 por cento da população, o equivalente a 14 milhões de beneficiários em 2025. Para esse desiderato, Laúca garante um contributo de 2.070 megawatts.
O primeiro grupo gerador entra em funcionamento quatro meses depois do início do enchimento da albufeira, processo que, de acordo com técnicos, só termina em 2018, permitindo depois a entrada em funcionamento das seis turbinas.
Com 2.070 Megawatts, Laúca supera o dobro da capacidade das duas barragens, Cambambe (960 MW) e Capanda (520 MW), com as quais divide o médio Kwanza e reduz, em certa medida, o défice na produção de energia no país.
Considerada a maior obra de Engenharia Civil alguma vez feita em Angola, a barragem de Laúca, consumiu, só em betão, o equivalente à edificação de 40 estádios de futebol, 2.800 casas ou 465 edifícios de oito pisos.
A acomodação das turbinas implicou a construção de seis túneis subterrâneos numa extensão total de 12 quilómetros, além de um desvio do rio Kwanza. A quantidade de aço consumida equivale à construção de cinco torres Eiffel.
O gigante chamado Laúca tem duas centrais de produção de energia. A primeira é constituída por seis turbinas do tipo Francis Vertical, que vão produzir 334 MW cada. A segunda inclui uma central ecológica com capacidade para 65 MW.
O projecto Angola Energia 2025 obedece a várias etapas. Para o quinquénio 2013 -2017 estavam previstas, entre outras acções, a construção da segunda central da barragem de Cambambe, Laúca, a Central do Ciclo Combinado e a barragem de Caculo Cabaça.
A nova central constitui a segunda e a última etapa da barragem de Cambambe, que data de 1959. A intervenção resultou no aumento da capacidade de produção do empreendimento de 260 para 960 megawatts (MW).
A barragem de Laúca e a Central do Ciclo Combinado do Soyo que chegou a suscitar alguns receios quanto à capacidade de garantir a continuidade das obras face à crise financeira de 2014 estão no fim.

Melhor garantia

O início hoje da produção de Laúca, cujas obras iniciaram em 2012, com o lançamento da primeira pedra pelo então ministro de Estado e da Coordenação Económica, Manuel Vicente, actual Vice-Presidente da República, é a maior garantia de viabilidade do projecto Caculo Cabaça que vem para reforçar a estratégia de redução do défice de energia no país. À semelhança de Cambambe, Laúca e Capanda, Caculo Cabaça também nasce da força do rio  Kwanza.
O aproveitamento hidroeléctrico de Caculo Cabaça tem projectada uma barragem de betão com 103 metros de altura e 553 metros de desenvolvimento de coroamento, que vai permitir armazenar um volume total de cerca de 440 milhões de metros cúbicos de água.
Com a conclusão das obras prevista para 2022, a barragem de Caculo Cabaça deve acrescentar à rede nacional de electricidade 2.100 megawatts.

Potencial por explorar

O país explora apenas cinco por cento da potencialidade que dispõe em energia hídrica. Estudos revelam que Angola dispõe de 159 locais com potencial para grandes aproveitamentos hidroeléctricos.
O projecto Angola Energia 2025 procura inverter esta situação. Entre os objectivos a que se propõem estão o estudo da evolução da procura, necessidade do aumento das capacidades de produção, transporte e transformação, interligações dos sistemas, incluindo o sistema Leste ao Norte, assim como o sistema Norte ao Centro e, a posteriori ao sistema Sul e o mapeamento dos recursos renováveis.
Especialistas defendem que, além dos grandes empreendimentos, a malha energética do país deve contar com os pequenos empreendimentos hidroeléctricos locais, sobretudo, de iniciativa dos fazendeiros. São conhecidos casos em que, além de garantirem o fornecimento de electricidade aos equipamentos fabris e comerciais e aldeamentos, empresários agrícolas assistem as autoridades locais no fornecimento de electricidade a vilas e povoações.
O objectivo do Governo é que essas iniciativas satisfaçam entre cinco e 10 por cento das necessidades de energia eléctrica no país até 2025. O Instituto Regulador do Sector Eléctrico (IRSE) prevê que o Programa Nacional de Electrificação Rural garanta, até 2017, o acesso à energia eléctrica a 86 sedes municipais e 124 sedes comunais do país.

Segurança energética

As iniciativas no sector sucedem-se. Em 2011, foi aprovada, através do Decreto Presidencial nº 256/11 de 29 de Setembro, a Política e Estratégia de Segurança Energética Nacional, com o objectivo de definir as principais orientações estratégicas para o sector e redefinir o respectivo enquadramento institucional.

A longo prazo, a política assume a necessidade de transformação do sector para responder ao enorme desafio associado ao crescimento da procura, ao longo de seis eixos, nomeadamente crescimento do parque de geração, potenciação do papel das energias renováveis, expansão da electrificação, revisão tarifária e sustentabilidade económico-financeira, reestruturação e reforço dos operadores e promoção da entrada de capital e know-how privado.

Rede nacional de transporte de energia03_lauca

No âmbito da estratégia “Angola Energia 2025”, a rede nacional de transporte de energia eléctrica, sobre a qual incidem avultados investimentos públicos, passa a interligar todas as capitais provinciais do país, dentro dos próximos nove anos.
Datado de 2008 e concebido em linha com o Programa Nacional de Desenvolvimento de Longo Prazo 2018/2025, o projecto, considerado ambicioso por muitos, assenta num conjunto de infra-estruturas, grande parte delas já executadas e algumas em vias de conclusão, que vão permitir que, dentro de dois anos, Angola parta para a auto-suficiência energética.
A estratégia “Angola Energia 2025” marca a rotura com as soluções paliativas e assume o compromisso de garantir o acesso à energia eléctrica à generalidade da população angolana como forma de promover o desenvolvimento humano e impulsionar a indústria.
Para garantir uma maior participação de agentes privados no sector, a estratégia “Angola Energia 2025” pretende criar condições para reduzir os encargos de exploração e, por via disso, atrair novos agentes privados no sector.
Em 2013, o país tinha apenas 2.850 km de linhas eléctricas (de 60, 220 e 400kv) e o objectivo é atingir os 16.350 km em 2025. De igual modo, há relativamente pouco tempo, três anos sensivelmente, Angola dispunha apenas de 36 subestações ao longo da Rede Nacional de Transporte. O número tem vindo a subir, embora ainda esteja longe das 152 estações programadas para 2025.

 

http://jornaldeangola.sapo.ao/reportagem/lauca_entra_em_producao

Hidroeléctrica de Laúca em Angola está na fase de conclusão

O empreendimento está na etapa final de construção, tendo entrado na fase de enchimento da albufeira (represa). A visita acontece a menos de três semanas das eleições gerais em Angola. José Eduardo dos Santos, cujo estado de saúde é considerado delicado, não concorre à reeleição, tendo indicado como candidato do MPLA à Presidência da República o general João Lourenço, até recentemente ministro da Defesa.

O presidente da República não tem tido participação direta na campanha eleitoral, o que, comentadores políticos, em Luanda, atribuem ao seu estado de saúde.01_lauca_0.jpg

Laúca é a terceira barragem em construção no leito do Rio Cuanza, depois de Cambambe, com 960 megawatts, e Capanda, com 520 megawatts.

Com um investimento de 4,5 mil milhões (4,5 bilhões) de dólares, envolvendo a construção, produção, fornecimento e colocação em serviço do sistema de transporte de energia, o Complexo Hidroeléctrico de Laúca tem uma capacidade conjunta de geração de 2.070 megawatts.

A entrada em funcionamento da central principal, com seis grupos geradores de 334 megawatts cada,  beneficia mais de cinco milhões de pessoas das regiões norte, centro e sul do país.03_lauca

O projeto surgiu a partir de um estudo de inventário realizado na década de 1950, no período colonial português, solicitado pela então empresa pública Sociedade Nacional de Estudo e Financiamento de Empreendimentos Ultramarinos (Sonefe) à empresa Hydrotechnic Corporation (USA), que foi retomado em 2008, com a realização dos estudos de viabilidade solicitados pelo governo angolano.

A obra foi desenvolvida  pela construtora brasileira Odebrecht com financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES), que foram interrompidos em 2015, na sequência da crise econômica e política no Brasil, que levou ao afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff.

https://africa21digital.com/2017/08/03/angola-eduardo-dos-santos-visita-hidroeletrica-do-lauca/

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.