.
em foco...
Economia, Evento, PALOP, Política

Denúncias de corrupção no sector da saúde em Moçambique

Sete funcionários do Hospital Geral de Marrere, na província de Nampula, estão detidos, desde dezembro, acusados de desvio de dinheiro. Além destes, há mais cinco novos casos de corrupção no sector da saúde.

Mosambik Gesundheitsbehörde der Provinz Nampula
(DW/S. Lutxeque )

Na província de Nampula, norte de Moçambique, vêm à tona cada vez mais casos de corrupção. As denúncias têm aumentado nos últimos meses, em particular no sector da saúde.

“Solicitei um atestado médico para tratar da minha carta de condução, cobraram-me a taxa fixa, mas a pessoa que me atendeu disse que vai demorar e, para poder sair rápido, me pediu algum valor. Como eu necessitava, fui obrigado a tirar esse valor”, denunciou à DW África um cidadão que preferiu manter o anonimato.

mapa-de-mocambique-8

Também foi por causa de uma denúncia anónima que, no final de dezembro de 2016, funcionários do Hospital Geral de Marrere foram detidos, por suspeita de desvio de mais de 900 mil meticais (mais de 12 mil euros).

Segundo a acusação, o valor era tirado fraudulentamente dos cofres da instituição, num esquema que incluía pagamentos ilegais de salários e simulações de pagamentos para os acusados.

defaultO esquema de corrupção no hospital da província de Nampula envolvia funcionários da administração, enfermeiros e serventes

Segundo o porta-voz do Gabinete Provincial de Combate à Corrupção de Nampula, Francisco Bauque, “o caso [desvios para pagamentos fraudulentos] vem ocorrendo deste 2015 naquela instituição” de saúde.

“Nós recebemos de uma fonte anónima o expediente com quase todos os elementos, inclusive os relatórios de auditoria. E foi com base nisso que fomos aprofundando as investigações e constatámos que alguns dos factos consubstanciavam o crime de peculato, que é punível nos termos do código penal”, explica Francisco Bauque.

Ao todo, nove pessoas estariam envolvidas neste esquema, incluindo funcionários da administração, enfermeiros e serventes. O Gabinete Provincial de Combate à Corrupção ainda não localizou dois dos acusados, que fugiram.

O inspetor-chefe na direção provincial da saúde, Calisto Sampo, diz que os funcionários correm o risco de expulsão. “Naturalmente, todos aqueles que estão envolvidos no desvio ou tentativa de desvio de fundos do Estado não terão alternativa senão a expulsão”, garantiu Calisto Sampo.

Mais de 200 suspeitas de corrupção no norte do país


 No ano passado, o Gabinete Provincial de Combate à Corrupção, que assiste as províncias de Nampula, Cabo Delgado e Niassa, no norte de Moçambique, registou mais de 200 suspeitas de corrupção, sobretudo nos setores das alfândegas, educação e saúde.

De acordo com o porta-voz do Gabinete Provincial de Combate à Corrupção, Francisco Bauque, este ano já há novos casos.

“Para além daquele que já foi reportado ligado aos funcionários do Hospital Geral do Marrere, tivemos mais cinco casos de corrupção a nível só do sector de saúde”, disse Francisco Bauque.

No ano passado, foram registados cerca de 10 casos de corrupção só na cidade de Nampula, segundo a Inspeção de Saúde.

http://www.dw.com/pt-002/h%C3%A1-mais-den%C3%BAncias-de-corrup%C3%A7%C3%A3o-no-sector-da-sa%C3%BAde-em-mo%C3%A7ambique/a-37237696

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: