.
em foco...
Oeste Africano, Política

Nigéria: Boko Haram utiliza meninas como escudo humano para a fuga

000000000000nigeriastatesmapb
Abuja – O Exército nigeriano anunciou ter capturado mil e 240 supostos terroristas da Boko Haram e suas famílias, na floresta de Sambisa, depois de uma operação de limpeza.
O comandante da Operação “Lafiya Doye” contra a seita islâmica Boko Haram, no nordeste da Nigéria, general de divisão Lucky Irabor, declarou quarta-feira, em Maiduguri, que foram capturados 413 homens adultos, 323 mulheres, 251 rapazes e 253 meninas.
Segundo o general Irabor, os suspeitos estão sob interrogatórios para saber se são efectivamente membros da Boko Haram ou não, “porque não tem nenhum sentido que alguém que não seja membro desta seita viva na floresta de Sambisa”.
Informou que, no mesmo período, pelo menos 30 pessoas que estavam em fuga por suspeita de pertencerem à Boko Haram renderam-se às tropas multinacionais do Níger nas margens do Lago Tchad.
Acrescentando que os soldados nigerianos souberam depois que foram enviados a Difa, na República do Níger.
O general Irabor disse que o Exército nigeriano não disparou contra os supostos terroristas que se escaparam da floresta de Sambisa, porque algumas das meninas de Chibok raptadas pela Boko Haram foram usadas como escudo humano enquanto fugiam.
O Exército tomou o campo Zairo, bastião do grupo Boko Haram, a 24 de Dezembro deste ano.
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: