.
em foco...
África Austral, Oeste Africano, Política

República Democrática do Congo: Kabila em silêncio, governo e igreja procuram soluções

 mw-860.jpg
 
Kinshasa (Prensa Latina) O presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, guarda hoje silencio três dias depois do fim de seu mandato, enquanto o primeiro-ministro recém nomeado e a Igreja católica tentem encaminhar a institucionalidade.
Com incidentes de violência esporádicos, e ao menos duas dezenas de mortos na capital e outras cidades, o primeiro-ministro Samy Badibanga -nomeado por Kabila- e alguns prelados tentam encaminhar todas as partes a uma negociação que afaste o caminho das armas.
A Conferência Episcopal Nacional do Congo estabeleceu um ultimato ao exigir à classe política (signatária ou não do acordo de 18 de outubro) que se alcance uma solução antes do Natal.
Para diversas fontes no terreno o ‘Nenhum dia mais’ dos prelados tem pouca força dado que a situação foge de suas mãos e diversas organizações sublinham que a permanência de Kabila no poder é inegociável.
Diante da falta de um compromisso para evitar o estancamento, os prelados submeterão nesta quinta-feira suas próprias propostas para a saída da crise tanto aos signatários como aos não signatários.
A solução de 18 outubro, firmada pelo governo e por setores minoritários da oposição, estabelecia a permanência de Kabila no cargo presidencial até a eleição (em abril de 2018) de seu sucessor, com o compromisso de não se candidatar e levar figuras opositoras a um governo de transição.
Para o site congolês 7sul7, o governo encabeçado por Badibanga teve que recompensar personalidades políticas que tiveram uma ampla participação nesta saída, que ainda não foram reconhecidas por todas as partes.
Badibanga é um dissidente da União para a Democracia e o Progresso Social, cujo chefe, Étienne Tshisekedi, pediu aos congoleses que desconhecessem Kabila como presidente e fizessem manifestações pacíficas.
Vários partidos pressionam para que as eleições sejam realizadas em 2017 e não em 2018.
A Comissão Nacional Eleitoral alegou dificuldades técnicas quando adiou as eleições em setembro, o que provocou protestos que deixaram 30 mortos, e dos quais Kabila culpou à oposição.
Kabila dirige o país desde 2001 quando seu pai, Laurent-Désiré, foi assassinado e depois venceu nas eleições presidenciais de 2006 e 2011, mas desde 2008 existem focos de violência em várias partes do país.+
O papa Francisco chamou nesta segunda-feira os congoleses, e especialmente a sua classe política, a ‘serem artífices de paz e reconciliação’.
O secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki Moon, também pediu na quarta-feira que se trabalhasse de forma construtiva e de boa fé sobre os assuntos pendentes sobrepondo os interesses do país aos pessoais ou de grupos políticos.
 
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: