.
em foco...
Oeste Africano, PALOP, Política

Chefe da ONU pede compromisso de líderes da Guiné-Bissau para superar crise política

ban-ki-moon2
Na Guiné-Bissau, discordâncias políticas entre partidos e dirigentes levaram à crise que tem afetado negativamente a população. O chefe da ONU, Ban Ki-moon, pediu compromisso e boa vontade de lideranças nacionais para superar impasses.
Expressando preocupação quanto à prolongada crise institucional que afeta a Guiné-Bissau, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu às lideranças da nação que busquem uma solução duradoura para impasses envolvendo o governo do novo primeiro-ministro e outras entidades políticas.
Segundo informações da imprensa internacional, em novembro, o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), a legenda mais influente do país, rejeitou o então recém-indicado primeiro-ministro, Umaro Mokhtar Sissoco Embalo, e afirmou que boicotaria seus planos para a condução do governo.
Sissoco foi nomeado para o cargo pelo presidente Jose Mario Vaz, que havia dissolvido o governo anterior também devido à falta de apoio do PAIGC ao antigo primeiro-ministro, Baciro Dja. Logo após a indicação de Sissoco, o Partido declarou que não participaria da administração do país encabeçada pelo novo dirigente.
No início de dezembro (12), o primeiro-ministro anunciou os quadros que comporão seu gabinete. O grupo é composto por 37 funcionários, dos quais apenas Malal Sane — o escolhido para o Ministério de Assuntos Presidenciais e Parlamentares — é membro do PAIGC.
Os outros 36 secretários e ministros incluem 12 representantes do maior grupo de oposição da Guiné-Bissau, o Partido da Renovação Social, e membros de partidos opositores menores.
Depois do anúncio da equipe, relatos à imprensa indicavam que permanecia pouco claro se Sissoco conseguiria reunir o Parlamento e aprovar um orçamento com a oposição do PAIGC.
Em mensagem de seu porta-voz, Ban Ki-moon afirmou que compartilha da preocupação expressa anteriormente pelos chefes de Estado e Governo da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO). Dirigentes se manifestaram na semana passada (17) para pedir um fim aos impasses políticos que afetam negativamente a população.
O secretário-geral convocou as lideranças políticas da Guiné “a demonstrarem o compromisso e a boa vontade necessárias para alcançar uma solução política duradoura” com base no Acordo de Conakry e no Roteiro da CEDEAO. Os documentos estabelecem os parâmetros para o estabelecimento de um governo a partir do diálogo inclusivo e do consenso entre as partes.
O chefe da ONU também disse ter tomado conhecimento da saída da missão da CEDEAO da Guiné-Bissau, prevista para o primeiro trimestre de 2017. Ban afirmou ter esperanças de que a decisão não seja definitiva e de que a saída dependa de fato das condições prévias estipuladas no Roteiro da CEDEAO e de consultas adequadas com os parceiros internacionais, incluindo as Nações Unidas.
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: