.
em foco...
Angola, Economia

Confederação Sindical de Angola cobra “disciplina sexual” dos trabalhadores

unta

O sindicalista Almeida Pinto alertou na quarta-feira, em Luanda, os trabalhadores para a necessidade de haver “disciplina sexual” pelo facto de a produção das empresas e a economia do país ficarem fragilizadas quando um trabalhador fica doente.
O alerta feito pelo sindicalista, durante uma palestra sobre a “Estigmatização e os desafios do sindicalismo”, decorre do facto de a situação do VIH/Aids em Angola ser preocupante por, na maior parte das empresas, haver pelo menos um trabalhador seropositivo.

Almeida Pinto, que exerce o cargo de assistente de Higiene e Segurança no Trabalho da UNTA-Confederação Sindical, desejou que os trabalhadores sejam fiéis na relação conjugal, por ser um comportamento que evita o crescimento do número de seropositivos no país, onde o primeiro caso de sida foi notificado em 1985.

O activista sindical lembrou a existência em Angola de uma lei que protege os trabalhadores seropositivos e pediu aos empregados e empregadores para nunca discriminarem os seropositivos, por ser uma violação dos direitos humanos, um acto imoral e desumano.
O Executivo angolano foi elogiado pelo sindicalista, devido ao seu empenho no combate à sida, desde a notificação do primeiro caso da doença, há 31 anos.
“O Executivo criou a Comissão Nacional da Luta contra a Sida, o Instituto Nacional de Luta contra a Sida e o Hospital Esperança”, onde são atendidas gratuitamente pessoas infectadas pelo vírus da sida, uma doença sem cura.
Os trabalhadores devem fazer regulamente o teste de VIH, para que tenham conhecimento do seu estado serológico, aconselhou o sindicalista.
A palestra da UNTA-Confederação Sindical esteve inserida na jornada de 1 de Dezembro, dia consagrado à luta contra a aids no Mundo.

Doença sem cura

A aids é provocada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), que penetra no organismo humano por contacto com uma pessoa infectada. A transmissão pode acontecer através de relações sexuais, do contacto com sangue infectado e de mãe para filho, durante a gravidez ou parto e pela amamentação.
O VIH é um vírus poderoso. Quando entra no organismo, dirige-se ao sistema sanguíneo, onde começa de imediato a replicar-se, atacando o sistema imunológico, destruindo as células defensoras e deixando a pessoa infectada (seropositiva) mais debilitada e sensível a outras doenças, as chamadas infecções oportunistas, que são provocadas por micróbios e que não afetam as pessoas cujo sistema imunológico funciona convenientemente. Também podem surgir alguns tipos de cancros.
Entre essas doenças, encontram-se a tuberculose, a pneumonia, a candidose, que pode causar infecções na garganta e na vagina, o citomegalovirus, um vírus que afecta os olhos e os intestinos, a toxoplasmose, que pode causar lesões graves no cérebro, a criptosporidiose, uma doença intestinal, o sarcoma de Kaposi, uma forma de cancro que provoca o aparecimento de pequenos tumores na pele em várias zonas do corpo e pode, também, afectar o sistema gastrointestinal e os pulmões.
A sida provoca ainda perturbações, como perda de peso, tumores no cérebro e outros problemas de saúde que, sem tratamento, podem levar à morte. Este síndrome manifesta-se e evolui de modo diferente de pessoa para pessoa.

http://jornaldeangola.sapo.ao/sociedade/unta_pede_disciplina_sexual_aos_trabalhadores

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: