“Do nosso ponto de vista, o orçamento é irrealista”, escrevem os analistas da unidade de análise económica da revista britânica The Economist.

Numa nota sobre o Orçamento de Moçambique para 2017, a EIU vinca que “o envelope financeiro deverá ser significativamente menor do que o projetado pelo Governo, com pequenas mudanças de política a dificilmente anularem o facto de que o crescimento econômico lento e o baixo investimento do setor privado vão ter um forte impacto nas receitas fiscais”.