.
em foco...
Angola, Economia, PALOP

Sonangol,multinacional angolana de petróleo, paga as dívidas aos bancos

por Armando Estrela |
2 de Dezembro, 2016

Fotografia: Vigas da Purificação

A administração da multinacional angolana Sonangol está a honrar o pagamento mensal das prestações referentes à sua dívida financeira aos bancos, anunciou ontem, em conferência de imprensa, a presidente do conselho de administração da companhia, Isabel dos Santos.

 

No ano passado, o incumprimento por parte da Sonangol dos convênios financeiros com os bancos resultou num conjunto de constrangimentos, que limitam hoje o acesso ao financiamento programado para este ano. A dívida financeira da empresa para este ano já é estimada em 9,851 mil milhões de dólares.
Ainda assim, a administração da empresa tem necessidade de contrair novos financiamentos, tendo em atenção os compromissos financeiros firmados para 2016, ainda por financiar, de forma que a Sonangol possa cumprir os pagamentos até ao final do ano. Esta necessidade totaliza 1,569 milhões de dólares.
isabel2
Queda de receitas

As receitas deste ano provenientes da petrolífera angolana Sonangol devem registrar uma queda de um terço, posicionando-se em 15,325 mil milhões de dólares, comparativamente aos resultados verificados há quatro anos, de acordo com dados provisórios tornados ontem públicos, em conferência de imprensa, pelo conselho de administração da companhia.
No ano passado, a receita bruta da multinacional angolana foi de 16,212 mil milhões de dólares. Em 2013 a Sonangol verificou o seu maior “boom”, com a receita anual em torno dos 40 mil milhões de dólares, e foi exactamente nesse ano que os resultados financeiros começaram a mostrar resultados negativos, terminando o ano de 2014 em 24,657 mil milhões de dólares.
Os custos operacionais da empresa não diminuíram tanto quanto a quebra de receitas, estimando-se hoje em 11,957 mil milhões de dólares, uma redução de 2,486 mil milhões de dólares, face ao ano de 2015, que registou custos na ordem de 14,443 mil milhões de dólares. O lucro da Sonangol também decresce desde o ano de 2013, altura em que tinham sido fixados em 3,089 mil milhões de dólares. No ano de 2014 a companhia teve lucro de 1,415 mil milhões de dólares e no ano passado contabilizou apenas 389 milhões. A administração da petrolífera nacional não prevê para este ano qualquer proveito para o Estado.

No ano passado, a Sonangol investiu 4,683 bilhões de dólares em diversos novos projectos, incluindo os consignados fora do sector de petróleo e gás. Este ano, os investimentos tiveram o seu foco principal em projectos de exploração e de desenvolvimento petrolíferos, mas a administração da empresa reconhece uma redução para cerca de 3,303 mil milhões de dólares.
petroleo
Venda de petróleo

A PCA da Sonangol referiu que a redução da receita de venda de petróleo também levou à diminuição dos seus resultados e da rentabilidade, reduzindo a libertação de fundos para o accionista principal – o Estado angolano. “No caso concreto da Sonangol, a referida redução acentuada de receitas não foi acompanhada pela necessária revisão da estratégia de investimento do Grupo”, disse Isabel dos Santos. “Este cenário conduziu a uma situação difícil perante os credores internacionais, dificultando a capacidade de obter novos financiamentos, fundamentais para a sustentabilidade das operações, da manutenção dos níveis de produção, dos pagamentos a fornecedores e do cumprimento dos seus compromissos financeiros”, referiu.
De forma a contrariar este cenário negativo, a nova administração da Sonangol fez uma avaliação profunda do grupo, para assegurar um conhecimento total da situação de partida e para que as suas decisões sejam tomadas com base na realidade da empresa. Esta avaliação que cobriu a situação financeira e fiscal, a organização, os processos, os sistemas de informação e as pessoas, aponta para uma situação bastante mais grave do que o cenário inicialmente delineado, obrigando a decisões de gestão com carácter de urgência, admitiu Isabel dos Santos.
A administração da petrolífera angolana diz que “a avaliação conduzida até à data detectou um conjunto de inconsistências entre a informação contabilística e a informação real da empresa, bem como uma falta de controlo sobre várias participações financeiras, tornando-se evidente a necessidade de reestruturação financeira do Grupo, para conseguir cumprir os compromissos de dívida”.
Ao nível dos processos, a Sonangol identificou um desalinhamento com as boas práticas, o não cumprimento dos procedimentos e das normas internas e a falta de mecanismos de controlo. A empresa fez saber que os sistemas informáticos foram também alvo de diagnóstico, tendo sido demonstrada a falta de fiabilidade da informação e de profundas debilidades ao nível do sistema de contabilidade (SAP), com elevado risco para o negócio e para a tomada de decisão.

Acções prioritárias

Isabel dos Santos referiu que o novo conselho de administração da empresa trabalha arduamente para garantir o cumprimento dos compromissos financeiros, já que estes determinam a capacidade da Sonangol de obter novos financiamentos, fundamentais para investir em novos projectos de campos petrolíferos, para evitar o declínio dos níveis de produção. “Adicionalmente, e para manter a liquidez financeira da Sonangol e a estabilidade da economia angolana, temos trabalhado com o Banco Nacional de Angola e com o Executivo, para continuar a assegurar o acesso regular a divisas e, assim, o pagamento dos produtos refinados importados”, evidenciou, ao acrescentar que “de uma forma criteriosa e ponderada, estamos a reavaliar todos os investimentos e projectos”.
Em consequência, “estão suspensos (e não cancelados)”, conforme fez questão de sublinhar a PCA da Sonangol, os investimentos na Refinaria do Lobito e na estação de armazenamento de combustíveis da Barra do Dande, para reavaliação da visão estratégica e da viabilidade econômica por parte da nova administração.
A Sonangol reconhece que os actuais desafios não resultam só da queda do preço de petróleo bruto, mas, fundamentalmente, da aplicação de uma política de investimentos questionável, ao longo dos últimos quinze anos, que não geraram o valor esperado para o Estado.
Isabel dos Santos disse que “esta carteira de investimentos é caracterizada por projectos problemáticos, como a Refinaria do Lobito e o Terminal Oceânico da Barra do Dande, e investimentos avultados sem retorno, fora do negócio principal da Sonangol, nomeadamente, investimentos em áreas como saúde, hotelaria, imobiliária e energias renováveis”.
Do mesmo modo, a administração da petrolífera angolana constatou também que a produção nacional de produtos refinados é limitada, representando cerca de 20 por cento do consumo total. Os custos de importação cresceram ao longo deste ano, sendo os custos incorridos em dólares e as vendas realizadas em kwanza.
A importação de combustíveis representa uma necessidade de divisas de, em média, 170 milhões de dólares por mês. No entanto, o acesso a divisas, nesta conjuntura, tem sido muito desafiante para a Sonangol, que tem tido dificuldades em realizar os pagamentos aos seus fornecedores no exterior. “Esta situação é agravada por existirem dívidas acumuladas, referentes à totalidade de 2015 e ao primeiro semestre de 2016”, reconheceu a Sonangol.

http://jornaldeangola.sapo.ao/economia/sonangol_paga_aos_bancos

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: