.
em foco...
Angola

Angola precisa de investimento estrangeiro

$$$.jpg
 
 
Angola necessita de aumentar em 15 por cento os influxos de Investimento Direto Estrangeiro (IDE) para relançar o crescimento econômico, conclui um estudo apresentado em Abril pelo acadêmico e pesquisador angolano Paulo da Conceição Carvalho à Universidade de Harvard.
O economista cita a pesquisadora Monica Vargas Murgui que afirma que, em 2014, só a China – o maior investidor de IDE de África – concedeu a Angola crédito de 15 bilhões de dólares (2,5 trilhões de kwanzas).
O aumento dos fluxos de IDE, afirma Paulo da Conceição Carvalho no estudo, é o de viabilizar uma exploração “mais acentuada” de produtos e serviços com base em critérios competitivos.
O economista propõe reformas estruturais para captação do IDE, as quais ajudariam a compensar os desequilíbrios da economia angolana e resultariam na resolução da escassez de divisas, diversificação das fontes de influxo de capitais, no aumento do “know-how” tecnológico, transferência de tecnologia, criação e manutenção de empregos de remuneração elevada, capacidade empresarial e profissional de qualidade reconhecida, novas oportunidades de exportação de produtos resultantes e “uma panóplia” de competências administrativas e de inovação.
O objectivo do IDE, lembra, é gerar altos lucros e, para que tal aconteça, é necessária a existência de um ambiente de negócios favorável no país receptor, para que possa materializar-se e ser rentável para os investidores do projeto estrangeiro concebido.
Paulo da Conceição Carvalho define o IDE como “um investimento envolvendo uma relação de longo prazo que reflete um interesse duradouro de controlo e grau de influência do investidor sobre a gestão da empresa por uma entidade residente numa determinada economia, numa empresa registada numa economia diferente da do investidor”.
Paulo da Conceição Carvalho é técnico superior tributário de 2ª classe, colocado no Gabinete de Planejamento Estratégico e Cooperação Internacional (GPECI) da Administração Geral Tributária (AGT).
Tem mestrados em Administração de Empresas, com especialização em “Liderança e Sustentabilidade em Negócios Internacionais” pela Universidade de Cumbria e em Ciências das Finanças pela Universidade de Salford, ambas do Reino Unido.
Em 2015 foi selecionado pela Universidade da Harvard (EUA) e pela Universidade de Cumbria para reformular um modulo académico, integrando uma equipa de 22 pesquisadores internacionais liderados por personalidades como o renomado professor de Harvard Michael Porter e o ex-Presidente da Costa Rica, José Maria Figueres, quando elaborou o estudo em que apresentou estas propostas.
August 16, 2016Ivair Augusto Alves dos Santos Leave a comment
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: