.
em foco...
PALOP

Domingos Simões Pereira – Guiné-Bissau vive situação “explosiva”

O alerta é do ex-1°Ministro Domingos Simões Pereira afastado do governo pelo Presidente da República no ano passado após ter vencido as legislativas de 2014.
“O presidente não tem dado mostras de responsabilização, de compreender que a Guiné-Bissau precisa de paz”, diz à rádio Vaticano o líder do PAIGC, o maior partido guineense.
O antigo secretário executivo da CPLP reafirma que o presidente “tem uma agenda própria, destaca “a instabilidade “do país e faz um diagnóstico preocupante.
“Temos os partidos a confrontarem-se, uma assembleia nacional inoperante, bloqueada, uma sociedade civil dividida e até os militares numa situação de desconforto”.
Em entrevista ao nosso correspondente, Domingos Pinto, o ex-primeiro ministro guineense destaca “o plano de emergência” do seu governo e elogia o papel das igrejas para manter a unidade do povo.http://pt.radiovaticana.va/news/2016/08/02/domingos_sim%C3%B5es_pereira_-__guin%C3%A9-bissau_vive_situa%C3%A7%C3%A3o_explo/1248861

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: