.
em foco...
Angola, Brasil – África, PALOP, Política

Comunidade dos Países de Língua Portuguesa nasceu no Brasil durante crise sem precedentes com Portugal

Escola-José-Aparecido
 
A CPLP foi ‘fabricada’ em 1993, três anos antes da sua formalização, pelo Governo brasileiro de Itamar Franco, logo após o ‘impeachment’ de Collor de Mello, numa investida diplomática tão surpreendente como a crise sem precedentes com Portugal.
A primeira notícia foi divulgada em março de 1993 no jornal Semanário, de Lisboa, com o título “Itamar manda conquistar PALOP”. Citava um documento interno da diplomacia brasileira, considerando que “muito pouco se fez pela gradeza da lusofonia” e impunha-se a criação da Comunidade dos Povos de Língua Portuguesa (CPLP).
 
Este rascunho foi submetido ao então chefe da diplomacia portuguesa, Durão Barroso, que deu o seu acordo a uma jornada do embaixador brasileiro em Lisboa, José Aparecido de Oliveira, tido como o “pai” da CPLP, para apresentar o projeto a todos os líderes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), começando por Nino Vieira, na Guiné-Bissau.
 
 
Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: