“O principal desafio de curto prazo é recuperar o ímpeto do crescimento econômico ao mesmo tempo que garante a sustentabilidade da fiscal e da dívida”, diz o relatório divulgado hoje na capital da Zâmbia pelo Banco de Desenvolvimento Africano, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico e pelas Nações Unidas.

A redução dos lucros nas exportações e a despesa públicas são os dois principais motivos apontados para o abrandamento do Produto Interno Bruto para 6,3% no ano passado, mas para este ano estas três instituições apontam para uma ligeira aceleração para 6,5%.