.
em foco...
PALOP, Política

Novo Governo de Cabo Verde tomou posse na Cidade da Praia

Fotografia: DR

O nono Governo constitucional de Cabo Verde, liderado pelo presidente do Movimento para Democracia (MpD), Ulisses Correia e Silva, foi empossado ontem para um mandato de cinco anos,dois dias após o novo Parlamento saído das eleições de 20 de Março tomar posse.

O MpD, que nos últimos 15 anos liderou a oposição no arquipélago, tem agora 40 deputados, mais 11 que o Partido para a Independência de Cabo Verde (PAICV), 29.
A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID)tem três deputados no novo Parlamento.
Ulisses Correia e Silva, que substitui José Maria Neves na chefia do Governo de Cabo Verde, cumpriu uma das promessas eleitorais ao apresentar um gabinete com apenas doze elementos, mas também prometeu trabalhar para fazer o país crescer, criar um programa de emergência com “respostas concretas” aos problemas e governar “para todos os cabo-verdianos”.
Os eleitores esperam agora que o seu Governo faça a economia crescer a uma média de sete por cento por ano, crie 45 mil postos de trabalho durante a legislatura, actualize anualmente os salários e pensões e resolva o problema da insegurança, como Ulisses Correia e Silva prometeu durante a campanha eleitoral. A tomada de posse de Ulisses Correia e Silva, que ontem apresentou os seus ministros ao presidente Jorge Fonseca, põe fim a cinco anos de regime de coabitação política entre um primeiro-ministro do PAIGC e um presidente cabo-verdiano proveniente do MpD, superado com distinção, e abre uma era entre um Chefe de Estado e um chefe de Governo provenientes do mesmo partido, o MpD.

Desafios do Governo

Analistas defendem ser crucial apostar forte na segurança e na saúde, alterar uma administração “excessivamente partidarizada” e descentralizar o poder para dar maior autonomia às ilhas para resolverem os seus problemas.
A descentralização, referem os analistas, não deve ser uma mera questão administrativa.
“As ilhas devem ser dotadas de mecanismos que permitam gerar riquezas e satisfazer as necessidades das populações, de forma a evitar o êxodo dos cidadãos para os grandes centros urbanos, defende um analista cabo-verdiano.
Analistas aplaudem igualmente o curto Governo escolhido pelo primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, mas defendem que deve ser acompanhado de outros instrumentos que promovam a eficácia nos serviços públicos e na governação do arquipélago.
A União Nacional dos Trabalhadores Cabo-verdianos-Central Sindical (UNTC-CS) define como primeira grande prioridade resolver o problema do desemprego no arquipélago, assim como a melhoria do transporte inter-ilhas.
Ulisses Correia e Silva, o quinto primeiro-ministro cabo-verdiano, após Pedro Pires, Carlos Veiga, Gualberto do Rosário e José Maria Neves, deve governar nos próximos cinco anos sem dificuldade, porque o seu partido venceu com maioria absoluta as legislativas de 20 de Março. O MpD venceu em todos os círculos eleitorais, entre os quais a ilha do Fogo, bastião do PAICV, interrompendo um ciclo de três maiorias absolutas consecutivas do partido liderado por Janira Hopffer Almada.

Reformas no Parlamento

Reformas no sistema político e na Assembleia Nacional de Cabo Verde são, para o novo presidente do Parlamento cabo-verdiano, “desafios inadiáveis” para tornar a Casa das Leis mais produtiva e mais próxima das populações.
“Precisamos aproximar o poder, as instituições e as soluções das populações, reforçar a confiança nas suas potencialidades, no incremento da economia local, na fixação da população e na libertação da energia criadora”, disse Jorge Santos no primeiro discurso como presidente da Assembleia Nacional de Cabo Verde.
A Reforma do Parlamento deve ser assumida como uma prioridade da Assembleia Nacional, dos deputados, da mesa da Assembleia Nacional e dos Grupos Parlamentares, disse Jorge Santos, porque os cabo-verdianos querem um sistema de poder alinhado com a dimensão do país e com as exigências da sociedade, acrescentou.
Tais reformam visam introduzir “mudanças profundas” como reuniões plenárias às quartas, quintas e sextas-feiras, debate mensal com a presença do primeiro-ministro e reforço da ética e do decoro parlamentar, sublinhou.

 

http://jornaldeangola.sapo.ao/mundo/africa/novo_governo_de_cabo_verde_tomou_posse_na_cidade_da_praia

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O Observatório

Este observatório é uma iniciativa do Grupo de Estudos Africanos vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (GEA/IREL-UnB), que busca refletir sobre a vida política, social e econômica da África contemporânea, com destaque para sua inserção internacional. Preocupando-se com o continente marcado pela diversidade, o Grupo de Estudos Africanos, por meio do Observatório, propõe um olhar crítico e compreensivo sobre temas africanos, em suas mais diversas dimensões.
%d blogueiros gostam disto: